Democratas mostram força e Congresso intima Rice

Utilizando o controle que possuem do Congresso americano, os democratas aprovaram em seqüencia nesta quarta-feira, 25, uma intimação destinada à Secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, e uma garantia de imunidade para uma assessora crucial do secretário de Justiça, Alberto Gonzales, em troca de seu testemunho.Uma comissão da Câmara dos Representantes (deputados) dos EUA votou para autorizar uma intimação à Rice sobre as alegações do governo Bush de que o Iraque teria se interessado por urânio africano. Aprovada por 21-10, todos os "sim" foram de democratas, enquanto todos os "não" foram de republicanos. A votação reflete bem o que o controle democrata é capaz de conseguir, e como o partidarismo pode comprometer o andamento do Congresso dividido.Os aliados de Rice mantiveram a posição de que ela, por anos, respondeu ao Congresso sob juramento, assim como à mídia, sobre tudo que sabia acerca da veracidade das alegações do presidente americano, George W. Bush, sobre os vínculos do país regido (na época) por Saddam Hussein com Níger quanto ao urânio.O presidente da comissão, o democrata Henry Waxman, disse que Rice "não nos dava escolha, além de proceder com uma intimação". O congressista afirma que enviou quatro cartas nas últimas semanas à Rice, e três foram respondidas. "Meu pedido é simples. Eu quero que Rice escolha uma data que seria conveniente para ela testemunhar perante nossa comissão". Segundo Waxman, Rice já testemunhou sete vezes esse ano e esse pedido não é nada extraordinário. "Por quatro anos, venho tentando conseguir informação de Condoleezza Rice em várias questões, incluindo as alegações sobre urânio e Níger em um pronunciamento de Bush em 2003", disse Waxman, fazendo uma alusão à asserção que precedeu a campanha militar americana que derrubou Saddam Hussein.Enquanto isso, uma comissão judiciária votou por 32-6 a favor de imunizar Monica Goodling, uma das principais assessoras do secretário de Justiça, Alberto Gonzales, de qualquer processo por testemunhar sobre porque os oito promotores federais foram demitidos. Mas o painel também aprovou, quase que de forma unânime, uma intimação pra intimá-la a testemunhar. Dos 32 votos a favor do depoimento de Monica, 22 eram democratas. Outros dez republicanos se juntaram a eles, mas representantes do mesmo partido foram responsáveis por todos os "não".Além disso, o comitê agendou uma audiência para Gonzales no dia 10 de maio. Gonzales teve um encontro particular com o senador Mark Pryor, que alega que o secretário não foi sincero com ele sobre as demissões. "Eu reiterei com Gonzales, cara-a-cara, que eu acho que ele devia renunciar", disse Pryor após a reunião. Legisladores querem forçar um esclarecimento no caso da demissão dos oito procuradores. No senado, o presidente da comissão judiciária do senado, Patrick Leahy, o painel aprovou uma intimação para Sara Taylor, principal assessora de Karl Rove - por sua vez principal assessor de Bush.A comissão da Câmara dos Representantes também emitiu intimações para a Comissão Nacional Republicana (RNC) para testemunharem e provirem documentos sobre os e-mails da Casa Branca nas contas do RNC que presumidamente sumiram. O RNC enviou uma carta ao painel, listando as 31 autoridades da Casa Branca que tem contas de e-mail do RNC, incluindo Rove.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.