REUTERS/Carlos Barria
REUTERS/Carlos Barria

Democratas pedem que Trump destrave governo e debata muro depois

Paralisação já dura 12 dias e as negociações sobre ela estão em ponto morto em razão da exigência do presidente de que projeto orçamentário inclua verba para um muro na fronteira com o México

Redação, O Estado de S.Paulo

02 Janeiro 2019 | 23h38

WASHINGTON - Os líderes democratas do Congresso que se reuniram nesta quarta-feira, 2, com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, na Casa Branca pediram ao governante que destrave a parte do governo que está paralisada há 12 dias e deixe o debate sobre a segurança na fronteira do país para depois.

A provável próxima presidente da Câmara dos Deputados, a democrata Nancy Pelosi, garantiu na saída da reunião que a intenção dela e de seus colegas é "acabar com o fechamento administrativo parcial amanhã".

"Amanhã vamos votar um pacote legislativo para reabrir o governo baseado em leis que foram antes aprovadas pelo Senado republicano, e outra legislação separada para aprovar fundos para Segurança Nacional até 8 de fevereiro", disse Pelosi.

Pelosi explicou que aprovar esta segunda iniciativa "daria 30 dias a mais" para que democratas, republicanos e Trump negociem os fundos para a segurança fronteiriça dos Estados Unidos, sem a necessidade de ter o governo parcialmente fechado.

Tanto a Casa Branca como o líder da maioria republicana do Senado, Mitch McConnell, rejeitaram essa proposta e Trump convocou para sexta-feira outro encontro na Casa Branca com os líderes de ambos partidos.

"Como disse nas últimas semanas, o Senado terá prazer em votar uma medida que a Câmara aprove e que o presidente vá assinar. Mas não vamos votar a favor de outra coisa", destacou McConnell após a reunião.

Desde o último dia 22 de dezembro, o governo entrou no seu terceiro fechamento parcial depois que a negociação entre republicanos e democratas no Congresso chegou a um ponto morto por causa da exigência de Trump de que o projeto de orçamento inclua uma verba de mais de US$ 5 bilhões para o muro fronteiriço.

Concretamente, a paralisia afeta agências de dez departamentos do Executivo, incluindo Transporte e Justiça; assim como dezenas de parques nacionais, que costumam ser uma grande atração turística.

A paralisação também prejudica 800 mil dos 2,1 milhões dos funcionários federais, que não receberão seus salários enquanto o governo permanecer fechado. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.