EFE/ EPA/ Chris Ratcliffe/ POOL
EFE/ EPA/ Chris Ratcliffe/ POOL

Rússia e China: demonstração de força e vitrine para o mercado militar

Xi e Putin se reuniram para discutir economia e assistiram a jogos de guerra em Vladivostok

Roberto Godoy, O Estado de S.Paulo

16 Setembro 2018 | 05h00

Há cinco dias, Xi Jinping e Vladimir Putin fizeram panquecas - as do chinês ficaram mais vistosas -, discutiram economia e depois assistiram ao início dos maiores jogos de guerra realizados pela Rússia desde 1981. Estavam em Vladivostok, para o Fórum Econômico do Extremo Oriente, quando 300 mil combatentes, 36 mil tanques, blindados e veículos diversos, com o apoio de 1.000 aviões e cerca de 90 navios, começaram a se movimentar em cinco diferentes frentes no gigantesco exercício que simula as ações de defesa diante de uma eventual “agressão externa”. Uma invasão. 

A hipótese era uma das prioridades de análise do Estado Maior da extinta União Soviética durante a Guerra Fria. Há 37 anos, com um terço do tamanho do ensaio, a URSS executava a Operação Zapad (Oeste, em russo) sob intensos protestos dos países do Ocidente liderados pelos EUA. Agora, a muito maior Operação Vostok (Leste), mereceu apenas uma declaração de apreensão do comando da Organização do Atlântico Norte. Cerca de 4.000 soldados foram colocados em alerta. 

A China participa com 3.200 militares, mais 900 “dispositivos e equipamentos” - a maneira como se refere a seus próprios tanques, canhões e mísseis. Tropas da Mongólia estão tomando parte nas provas. De acordo com o ministro da Defesa, Sergei Shoigu, o planejamento consumiu dois anos. O general não fala dos custos, mas, de acordo com analistas da Rand Corporation, um braço privado da inteligência do Pentágono, a despesa pode ter batido em US$ 3 bilhões - e não saiu por menos de US$ 1,5 bilhão. A intenção de Putin é testar a capacidade de integração das forças da Rússia sob as novas tecnologias. E, de quebra, exibir o mostruário para o mercado de produtos de emprego militar prontos para uso: dos ágeis tanques T-90 de quarta geração aos imensos aviões-radar Il-76/A-50V. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.