Denúncias de fraude em eleição parlamentar provocam protestos no Egito

Irmandade Muçulmana acusa grupo do presidente Hosni Mubarak de alterar resultados da votação

29 de novembro de 2010 | 19h09

Partidários da Irmandade Muçulmana protestam no Egito: Foto: Mamdouh Thabet/AP

CAIRO - As denúncias de fraude nas eleições parlamentares do domingo no Egito provocaram manifestações e confrontos nas ruas do país nesta segunda-feira, 28. Manifestantes incendiaram carros, pneus e dois colégios eleitorais. Houve confronto com a polícia, que disparou bombas de gás contra a multidão.

As manifestações aumentaram em vários locais na costa mediterrânea da cidade de Alexandria e no Cairo depois do encerramento das eleições.

A Irmandade Muçulmana, maior grupo da oposição no país, reportou grandes perdas nas eleições e disse não ter obtido nenhum assento para o bloco no Parlamento, embora alguns candidatos ainda devam disputar o segundo turno do pleito.

Vários grupos de observadores eleitorais independentes e ONGs internacionais avaliaram nesta segunda-feira, 29, que as eleições parlamentares do Egito realizadas no domingo foram fraudulentas e não ocorreram com transparência.

"Há provas suficientes para comprovar a fraude eleitoral", afirmou Magdy Abdel Hamid, em nome de várias organizações locais e outras internacionais como Anistia Internacional e Human Rights Watch (HRW).

 

Com AP e Efe

Tudo o que sabemos sobre:
Irmandade MuçulmanaEgito

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.