Denúncias podem ter causado a morte do editor da Forbes

A polícia que investiga a morte do editor da Forbes Magazin russo, Paul Klebnikov, ontem à noite, já tem uma teoria sobre o motivo do assassinato: ?suas atividades profissionais?. Isto aponta para os donos de imensas fortunas, que se aproveitaram do fim do regime comunista para enriquecer de forma obscura, na maioria das vezes. Klebnikov é autor de um livro sobre o milionário Bóris Berezovsky, em que descreve como o magnata - que atualmente vive no exílio na Grã-Bretanha - supostamente teria colocado ilegalmente centenas de milhões de dólares fora da Rússia. Além disso, sua revista ? lançada em abril - despertou grande atenção ao publicar uma lista das pessoas mais ricas, dizendo que Moscou tinha mais bilionários que trabalhavam na própria cidade e ali mesmo fizeram fortuna do que qualquer outra cidade do mundoKlebnikov disse, em maio, na edição da lista dos mais ricos, que acreditava que ?a era do chamado banditismo-capitalismo já é passado. Em meado dos anos 90, foi um processo muito sujo."O editor, de 41 anos, foi morto a tiros na noite desta sexta-feira em Moscou, informou a agência Interfax, atingido por quatro tiros de pistola e morreu numa ambulância enquanto estava sendo conduzido a um hospital. O promotor-geral Vladimir Ustinov, o mais alto oficial da justiça russa, disse que tomou a investigação sob seu controle pessoal.?Os investigadores estão atrás de várias possibilidades sobre o crime?, disse a porta-voz do promotor, Svetlana Petrenko, à agência ITAR-Tass. ?Mas a principal teoria é de que ele foi morto por motivos ligados a suas atividades profissionais.?Petrenko confirmou que Ustinov havia assumido pessoalmente a supervisão do caso ? uma possível indicação de como o assassinato pode minar profundamente a confiança no clima de negócios da Rússia.Testemunhas disseram que os tiros vieram de um Zhiguli e o carro foi encontrado hoje. Kelbnikov foi atingido do lado de fora do prédio de seu escritório. Segundo a rádio Ekho Moskvy, as cápsulas de dois calibres diferentes foram encontradas na cena do crime, indicando a existência de dois atiradores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.