Denúncias surpreendem moradores de San Pedro

Pessoas que conviveram com Lugo não imaginavam que ele teria filhos

Lourival Sant?Anna, SAN PEDRO, O Estadao de S.Paulo

25 de abril de 2009 | 00h00

O primeiro bispo de San Pedro também seguia, como Fernando Lugo, a teologia da libertação. Mas o monsenhor Oscar Páez Gasset andava sempre de camisa azul celeste ou branca, calça preta e sapato bem lustrado. Os fiéis da pequena cidade de 11 mil habitantes, capital da província rural e pobre de mesmo nome, no centro do Paraguai, tiveram um choque quando Lugo chegou, trajando camiseta do seu time, o Cerro Porteño, calça de algodão verde e sandálias de couro."Seriedade e formalismo não há com ele", diz Pelaje Mena, diretor do colégio paroquial, que trabalhou de perto com Lugo durante todo o período em que foi bispo de San Pedro, entre 1994 e 2005. "Mas ele se impõe, seja com um sorriso ou uma palmada. Sempre diz ?não? ou ?sim?. Não há ?veremos? com ele." Mena, de 44 anos, conheceu Lugo quando foi seu aluno de teologia na Universidade Católica de Assunção, em 1990. Nas aulas, Lugo citava teólogos da libertação brasileiros, como Frei Betto e Leonardo Boff. Mena diz que se surpreendeu com as notícias da paternidade do ex-bispo. "Mas a imagem que tenho dele não decaiu, nem minha confiança por ele nem pela Igreja. Ele falhou, mas não está sendo acusado de roubar ou de mentir. Gente que rapinou o país agora o está acusando de dupla moral.""Lugo era muito acessível", diz Bartolomé Velázquez, de 56 anos, dirigente da Associação Independente dos Produtores Rurais, que tem 256 membros, entre assentados e sem-terra. Ele lembra que, logo que o bispo assumiu a Catedral de São Pedro Apóstolo, construção colonial datada de 1854, reuniu-se com quatro líderes camponeses das 8 às 21 horas. "Ele dizia que o Paraguai precisava de uma mudança de sistema, porque grandes terras estavam nas mãos de poucos proprietários." Seguiu-se uma onda de invasões e de acampamentos de sem-terra na região. A maioria resultou em desapropriações e assentamentos.O dirigente não está contente com o desempenho social do governo Lugo: "A reforma agrária ainda está avançando pouco." Velázquez também se surpreendeu com os casos de Lugo. "As pessoas são muito sensíveis quanto à religiosidade e os padres e bispos eram um símbolo muito respeitado", diz ele. "Por outro lado, na cabeça das pessoas não cabe que um homem real possa andar sem mulher, seja sacerdote ou não. O bom senso me diz que não pode.""Ele sempre estava ao lado dos pobres", diz Blas Martín, um radialista de 53 anos. Ele e o bispo trabalharam juntos em várias mobilizações populares, incluindo a interdição da estrada entre San Pedro e Santa Rosa, em 2003. Lugo e Martín arrecadaram 45 mil kg de alimentos para o movimento, que reuniu na estrada centenas de pessoas durante três dias. Ao final, conseguiram o que todos os governos prometiam e não cumpriam desde o início dos anos 90: o asfaltamento do trecho de 80 km. "Nunca soube nada sobre seu lado amoroso", garante Martín. "Ele jamais falou de mulher comigo." Sua filha foi aluna de Lugo na Universidade Nacional, em San Pedro, e não notou nenhum tipo de assédio por parte do bispo."Nem nós, sacerdotes, que estávamos com ele, sabíamos de nada", diz um ex-padre que era muito próximo de Lugo, e prefere não se identificar. "Ele era bispo e recebia visitas de todo tipo de gente. A confiança nele era total." O ex-padre diz que cinco sacerdotes deixaram a diocese na época de Lugo, insatisfeitos com a doutrinação ideológica promovida pelo bispo."Ele era um bom homem, muito solidário", lembra Angelina Silva, de 68 anos, avó de Benigna Leguizamón, que diz ter um filho de 6 anos com Lugo. Em 2003, quando precisou fazer cirurgia de catarata, Angelina procurou o bispo, por sugestão da neta, que morava com os avós e trabalhava na diocese como faxineira. Lugo lhe deu 300 mil guaranis (hoje equivalentes a R$ 120). "Não esperávamos que fosse um sem- vergonha, capaz de fazer isso." O avô de Benigna, Santiago Leguizamón, de 70 anos, que não recebe aposentadoria e trabalha como pedreiro, por uma diária de 40 mil guaranis (R$ 16), diz que viu numa noite o bispo vir buscar sua neta, no portão de casa. Estranhou, mas não desconfiou do que estava acontecendo. "Estamos com medo", confessa Angelina. "Nossos vizinhos dizem que Benigna não devia ter falado isso, e vamos parar no Buen Pastor (presídio feminino em Assunção)."FRASESEx-padreDiocese de San Pedro"Ele era bispo e recebia visitas de todo tipo de gente. A confiança nele era total"Bartolomé VelázquezLíder dos sem-terra"As pessoas são muito sensíveis quanto à religiosidade e os padres e bispos eram um símbolo muito respeitado"Pelaje MenaDiretor do colégio paroquial"Ele falhou, mas não está sendo acusado de roubar ou de mentir"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.