John Moore / AFP
John Moore / AFP

Departamento de Estado irrita americanos ao dar dicas de como viajar com os filhos

Em meio à crise pela separação de famílias de imigrantes, comentários em chat do governo americano demonstram indignação e sarcasmo, questionando se crianças devem ser treinadas para se acostumar à prisão em gaiolas ou a ficar sem os pais

O Estado de S.Paulo

20 de junho de 2018 | 11h49

WASHINGTON - Talvez não tenha sido o momento mais oportuno para o Departamento de Estado fazer um bate-papo no Facebook Live sobre como viajar com crianças. Em meio à repressão do governo do presidente Donald Trump na fronteira sul dos Estados Unidos, que tem separado crianças de seus pais e incitado um alvoroço nacional, a unidade de assuntos consulares do Departamento de Estado fez uma sessão de perguntas e respostas pelo Facebook na terça-feira, 18, para famílias americanas que tenham planos de viajar para o exterior.

+ ‘Tolerância zero’ na fronteira é imoral e antiamericana

+ Imigrante brasileira afastada do filho por 9 meses lidera ação contra Trump

"Junte-se a nós para nosso chat #FamilyTravelHacks [dicas de viagem em família]", diz a legenda do vídeo. "Faça suas perguntas sobre como solicitar passaportes dos EUA para seus filhos, requisitar documentos e dicas para garantir que suas férias de verão não tenham problemas." Os comentários ao vídeo demonstraram indignação.

+ Áudio mostra crianças imigrantes chorando e chamando pelos pais após separação na fronteira dos EUA

"Vocês recomendam treinamento em gaiolas para que as crianças se acostumem com elas quando chegarem aos EUA?", disse internauta Matt Schneider. "Por quanto tempo eu devo deixá-los sozinhos na gaiola para que se acostumem a ficar presos sozinhos?" Outra usuária, Theresa Rowe, perguntou "Qual é o processo para recuperar meus filhos quando o governo dos EUA os separou de mim e os encarcerou?"

+ Benetton é criticada por usar imagem de imigrantes resgatados em campanha publicitária

A sessão de perguntas e respostas foi realizada por dois funcionários que se identificaram como Carl e Kim, e falaram de sua experiência na obtenção de passaportes para seus filhos. 

Alguns dos comentários eram questões simples, sobre como substituir passaportes perdidos ou roubados. No entanto, muitas das respostas eram sarcásticas. "Acho que ela está lendo os comentários. Parece desconfortável", disse Julee Steele, observando a o rosto de Kim durante o chat. "Estou surpresa que eles decidiram abordar esse assunto agora", acrescentou.

+ Trump volta a defender política migratória americana e critica Alemanha

Durante coletiva do Departamento de Estado na terça-feira, nenhuma pergunta foi feita sobre a transmissão. A porta-voz da agência, Heather Nauert, disse que o departamento não está envolvido na supervisão da política de separação de famílias. / NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.