Agustin Paullier/AFP
Agustin Paullier/AFP

Departamento de Estado pede que americanos voltem aos EUA ou fiquem onde estão

Alerta de viagens internacionais sobe para nível 4, o mais alto na escala americana

Beatriz Bulla, CORRESPONDENTE, O Estado de S.Paulo

19 de março de 2020 | 17h36

WASHINGTON - O Departamento de Estado americano pediu que todos os americanos que estão no exterior em viagem retornem aos Estados Unidos ou se preparem para permanecer no país onde estão atualmente por tempo indefinido. Para quem está no país, a orientação é não fazer viagens internacionais. A decisão vai ter caráter de recomendação e não exigência. A medida é mais uma das tentativas de evitar a circulação de pessoas e conter a disseminação do coronavírus.

A diplomacia americana subiu o alerta de atenção a todas as viagens internacionais para nível quatro - o mais alto na escala do país. O nível quatro do alerta de viagens é usado normalmente para países em guerras ou sérios conflitos internos. 

"Nos países em que voos internacionais continuam disponíveis, cidadãos americanos que moram nos EUA devem se organizar para retorno imediato, a menos que estejam preparados para ficar no exterior por um período indefinido", avisa o Departamento de Estado.

Desde o primeiro caso de coronavírus confirmado nos EUA, no final de janeiro, outras 10,9 mil pessoas foram infectadas em todos os 50 Estados americanos e no Distrito de Columbia. O país registrou 163 mortes causadas pelo vírus.

O Departamento de Estado considera que muitos países estão com surto de covid-19 e estão implementando restrições e quarentenas obrigatórias, fechando fronteiras e proibindo a entrada dos que não são cidadãos, além do fato de companhias aéreas estarem cancelando voos internacionais. 

Os EUA também informam que integrantes de embaixadas e consulados que estivessem com alto risco foram autorizados a voltar aos país, o que deve diminuir o número de oficiais americanos a atender a população. 

A entrada de pessoas que estiveram em locais com foco de disseminação do vírus, como China e Europa, diante do avanço da pandemia já foi restrita pelo governo Trump. Americanos ou residentes permanentes, no entanto, continuam podendo entrar no país mesmo se estiverem vindo destes locais. 

Trump vem pedindo desde o início da semana que os americanos limitem as viagens. Ele não descarta adotar restrições inclusive para viagens domésticas. Durante coletiva de imprensa nesta quinta-feira, Trump foi questionado sobre a situação de americanos que relatam dificuldades em voltar ao país. O presidente afirmou que o governo trabalhará para garantir o retorno dos cidadãos.

A recomendação para que os cidadãos retornem do país onde estão ou não viagem para o exterior já foi adotada em outros países como o Canadá.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.