Patrick Semansky / AP
Patrick Semansky / AP

Departamento de Justiça dos EUA investigará polícia de Baltimore

Ele examinará se os policiais de Baltimore têm violado sistematicamente os direitos constitucionais da população

O Estado de S. Paulo

08 de maio de 2015 | 18h58

BALTIMORE, EUA - O Departamento de Justiça dos Estados Unidos lançou uma investigação examinando como a polícia de Baltimore para, revista e prende pessoas, em resposta aos protestos e à violência diante da morte de Freddie Gray, que estava sob custódia de policiais da cidade.

Com a medida, aumenta o nível de escrutínio do governo federal sobre a cidade, após distúrbios em protestos contra a polícia na semana passada. A secretária de Justiça, Loretta Lynch, anunciou a nova investigação nesta sexta-feira, 8, após visitar a cidade na terça-feira e se encontrar com líderes comunitários.

Lynch disse que essas conversas convenceram-na de que o governo federal precisava assumir um papel mais forte em Baltimore, porque a relação entre a polícia e os cidadãos havia se tornado "ainda pior e na verdade foi rompida".

O Departamento de Justiça examinará se os policiais de Baltimore têm violado sistematicamente os direitos constitucionais da população. Essas investigações não têm como fim determinar se indivíduos cometeram crimes, mas sim gerar recomendações e novos procedimentos para evitar comportamentos inadequados no futuro.

Gray, de 26 anos, era um homem negro e morreu dos ferimentos ocorridos enquanto estava sob custódia policial. Seis policiais foram indiciados. Um advogado dos agentes diz que eles negam ter feito qualquer coisa errada.

O Departamento de Justiça já havia informado que realizaria uma investigação sobre a morte de Gray. O comissário de polícia de Baltimore, Anthony Batts, disse que receberia a revisão do Departamento de Justiça "de braços abertos". Gray foi detido no dia 12 e sofreu vários ferimentos na coluna. Ele morreu sete dias depois. / DOW JONES NEWSWIRES

Tudo o que sabemos sobre:
EUABaltimoretensão racial

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.