Depois da vaca louca vem aí a "cabra maluca"

Mergulhada em plena crise da "vaca louca",a França prepara se para enfrentar as novas crises que vem poraí, a do "carneiro doido" e da "cabra maluca", esperadaspelos técnicos da Agência Francesa de Segurança Sanitária dosAlimentos (Afssa), que lançou hoje uma advertência àsautoridades. A partir de agora, as medidas não se limitam só aosbovinos, mas alcançam também os ovinos e caprinos que não maissão poupados pela epidemia de encefalopatia espongiforme bovina(ESB, o mal da vaca louca) e suas variantes. Um estudo da Afssa provocou hoje uma reunião doprimeiro-ministro Lionel Jospin com os ministros da Agricultura,Jean Glavany, e o da Saúde, Bernard Kouchnner, para examinar asituação, tendo o responsável pela Saúde dito que o governo estálevando em consideração as advertências da agência sanitária,cada vez mais preocupado com a extensão da crise. Também ossuínos não estão isentos. Ao mesmo tempo, os agricultores franceses ligados à FederaçãoNacional dos Sindicatos Agrícolas (FNSEA) e ao Centro dos JovensAgricultores (CNJA) multiplicaram suas manifestações de protestocontra as medidas anunciadas pelo Ministério da Agricultura,tidas como "dramaticamente insuficientes". O governo preferiureservar o anúncio das decisões de ajuda financeira para oencontro dos ministros europeus do setor, marcado para o dia 26,provocando a ira dos produtores que exigem novas ajudascomunitárias para o setor. Hoje, em diversas regiões da França (Bretanha, Loire,Borgonha, Normandia), eles efetuaram controles em caminhõesfrigoríficos transportando carne de países que não fazem parteda União Européia, identificando e destruindo lotes do produto,entre eles de carne de origem argentina e brasileira. Em Nancyocorreram choques entre agricultores e forças da ordem duranteas manifestações.

Agencia Estado,

15 de fevereiro de 2001 | 18h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.