Depois das bombas, a reconstrução do Afeganistão

A formação de um novo governo no Afeganistão abriu a possibilidade de que a reconstrução do país se inicie, inclusive de sua riqueza cultural.Depois de 23 anos de guerra, os cálculos da ONU são de que serão necessários entre US$ 6 bilhões e US$ 10 bilhões, para recuperar a infra-estrutura do país, construir escolas, serviços de saúde e toda a administração pública.Reunidos nesta quarta-feira em Berna, na Suíça, agências da ONU e diplomatas de vários governos concordaram em que a comunidade internacional dará atenção também para a recuperação os sítios arqueológicos do Afeganistão, além de seus inúmeros monumentos.O país foi colonizado pelas cidades gregas, passou a fazer parte da "rota da seda" entre o Ocidente e Oriente e foi ponto de encontro de várias civilizações. O resultado é um mosaico de obras que poucas regiões do mundo conseguiram reunir.Segundo revelou um diplomata europeu à AE, uma das prioridades será a reconstrução das estátuas de Buda, no vale de Bamian. "Os monumentos do século II, de 53 metros de altura, foram destruídos pelo Taleban, como demonstração de que outros cultos religiosos não seriam tolerados no país", afirmou o negociador.O projeto possivelmente ficará com algum instituto de arte da Europa, mas ninguém ainda se atreve a calcular os gastos que serão exigidos.Outro local que será reconstruído será a região de Ai Khanoum, um verdadeiro museu arqueológico ao ar livre e que, durante os últimos meses, foi uma das frentes de batalhas entre a Aliança do Norte e o Taleban.A região guarda os restos de uma cidade grega, fundada no ano de 140 a.C., mas especialistas acreditam que 50% do local já esteja perdido. O país ainda conta com cerca de 120 colônias dos coríntios, outra potência grega.O museu de Cabul é o exemplo do que ocorreu com as obras do país. O museu conta atualmente com apenas 1% das peças que possuía antes de 1980. Parte da coleção foi destruída pela guerra, mas outra parte acabou sendo levada para a Europa de forma clandestina nos últimos 20 anos e hoje faz parte de coleções particulares.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.