Depois de 3 dias, rebelião no Afeganistão é controlada

Depois de três dias, a rebelião no forte de Galai Janghi, no norte do Afeganistão, foi aparentemente controlada. De acordo com testemunhas, não foram ouvidos sinais de confrontos no forte desde a madrugada de hoje e não há a informação de que os combates tenham prosseguido nesta quarta-feira de manhã. Centenas de prisioneiros estrangeiros, leais ao milionário saudita Osama bin Laden, foram mortos durante a rebelião. O incidente em Galai Janhgi contou ainda com a participação de forças americanas, que enviaram caças para bombardear o forte e soldados para ajudar a conter os prisioneiros estrangeiros. Ontem, a Aliança do Norte afirmou que havia controlado a revolta, mas militares americanos disseram que entre 30 e 40 homens continuavam resistindo. Cadáveres de soldados do Taleban, Al-Qaeda e da Aliança do Norte podiam ser encontrados em torno da prisão, mas os jornalistas foram impedidos de entrar no forte. Centenas de paquistaneses, chechenos, árabes e outros não-afegãos combatendo ao lado do Taleban foram levados para a fortaleza de acordo com um termo de rendição da milícia em Kunduz, seu último bastião no norte do país. Uma vez dentro da fortaleza no domingo, os prisioneiros teriam assaltado um depósito de armas e enfrentado as forças da aliança. Oficiais da Aliança do Norte haviam dito na noite de domingo que a situação estava dominada, mas fortes combates persistiram pelos próximos dois dias. Cinco soldados americanos ficaram seriamente feridos na segunda-feira quando uma "bomba inteligente" lançada por aviões saiu de curso e explodiu perto deles. Os cinco foram levados para o vizinho Usbequistão e estavam sendo transferidos para uma base americana na Alemanha. Um agente da CIA desapareceu durante a rebelião, segundo um oficial americano que pediu para não ser identificado. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.