Depois do maior atentado, a maior passeata no Iraque

Um dia depois do pior ataque às forças de ocupação realizado no Iraque desde a prisão do ex-ditador Saddam Hussein, dezenas de milhares de muçulmanos xiitas marcharam pacificamente pelas ruas de Bagdá, nesta segunda-feira, para exigir eleições diretas, na maior demonstração de força do poder político desse grupo majoritário no país desde o colapso do regime de Saddam. Segundo estimativas dos repórteres, cerca de 100 mil pessoas marcharam ao longo de cinco quilômetros até a Universidade de al-Mustansariyah, onde um representante do Grande Aiatolá Ali al-Husseini al-Sistani fez um discurso dirigido ao secretário-geral das Nações Unidas, Kofi Annan, às autoridades americanas de ocupação e seus aliados iraquianos. Al-Sistani, o mais influente líder xiita do Iraque, já rejeitou uma fórmula apresentada pelos Estados Unidos de transição de poder para os iraquianos através de um gabinete provisório escolhido por 18 lideranças regionais. O religioso insiste em eleições diretas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.