Depois dos ataques, paquistaneses fazem protestos violentos

Manifestantes anti-EUA queimaram um cinema e três ônibus, além de entrarem em confronto com a polícia nesta segunda-feira, no Paquistão. Os paquistaneses se opõem aos ataques lançados ontem por uma coalizão anglo-americana contra o Afeganistão. Em Quetta, cerca de 1.500 pessoas queimaram pneus e um cinema, mas a polícia logo disperou a multidão com gás lacrimejante. Em Karachi, a maior cidade do Paquistão, três ônibus foram incendiados. Gás lacrimejante também foi usado para conter 2 mil manifestantes pró-Taleban, na cidade de Peshawar, que fica perto da fronteira com o Afeganistão. Pelo menos quatro pessoas ficaram feridas quando a polícia abriu fogo contra centenas na cidade Landikotal. O presidente do Paquistão, Pervez Musharraf, disse ter certeza que "a vasta maioria" apóia sua decisão de ajudar os Estados Unidos na luta contra o terrorista Osama bin Laden, principal suspeito de ter planejado os ataques nos EUA em 11 de setembro, e sua rede de terroristas, a al-Qaeda. Mas vário líderes religiosos condenaram o apoio de Musharraf aos EUA. Vários acreditam que os ataques militares contra o Afeganistão são também um ataque direto ao Islã e muitos alertaram para as conseqüências do apoio dentro do país muçulmano. "Nós apelamos a todos os muçulmanos, que vivem em qualquer lugar do mundo, para estende seu apoio aos irmãos afegãos neste momento crítico", disse Sazid Mir, presidente da Markazi Jamiat Ahl-e-Hadith, uma organização de clérigos muçulmanos. Cerca de 2 milhões de refugiados afegãos vivem no Paquistão e, mesmo aqueles que não têm nenhuma simpatia pelo regime Taleban, também não aceitam ver o Afeganistão atacado. Munawar Hassan, vice-líder do Jamaat-e-Islami, o partido político religioso mais influente do país, avisou que pode haver um forte movimento contrário dentro do Exército paquistanês. "O Exército do Paquistão não concorda com Musharraf", disse Hassan. Ele também considera os ataques contra o Afeganistão como ataques contra o Islã. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.