Deputada americana é baleada no Arizona

Gabrielle Giffords participava de evento quando homem entrou atirando; seis morreram

estadão.com.br

08 de janeiro de 2011 | 17h25

Gabrielle foi eleita pela terceira vez pelo distrito de Tucson, no Arizona.

 

WASHINGTON - Funcionários da Câmara dos Representantes dos EUA informaram que a deputada Gabrielle Gifford, democrata do Arizona, foi baleada na cabeça neste sábado, 8, durante um evento na cidade de Tucson. A parlamentar passou por cirurgia. Seis pessoas morreram, entre elas uma menina de nove anos e um juiz federal.

 

Veja também:

linkAutoridades pedem que deputados 'tomem precauções'

linkObama chama incidente de 'tragédia inqualificável'

 

De autoridades locais, 18 pessoas foram baleadas, entre elas integrantes da equipe da deputada e um juiz federal do Estado. A polícia disse que, até o momento, são seis mortos e 12 feridos. Gabrielle, de 40 anos, foi levada para o Centro Médico Universitário de Tucson, a cerca de 15 quilômetros do local do ataque e passou por cirurgia.

 

Peter Rhee, um dos médicos responsáveis pelas operações dos feridos, deu uma entrevista coletiva no hospital e informou estar "otimista na recuperação" da deputada. O cirurgião, porém, afirmou que o centro recebeu dez feridos, sendo quatro em condição estável e cinco passando por operação, e que uma criança baleada morreu.

 

Segundo Rhee, Gabrielle reagiu bem à cirurgia e tem condições de se recuperar. Ele acrescentou ser muito cedo para falar em sequelas. Como está sob efeito de anestesia, não há como afirmar se ela ficará em coma ou não. O disparo atingiu um dos lados de sua cabeça.

 

O ataque aconteceu em um supermercado, onde a deputada participava de um evento chamado "Congress on Your Corner" (O Congresso na sua esquina, em tradução livre), que permite o encontro da população com deputados.

 

O presidente dos EUA, Barack Obama, fez um breve comunicado na televisão após o tiroteio, mas disse que havia "pelo menos cinco mortos". Ele disse que enviou um assessor especial para acompanhar o caso e confirmou que o juiz John Roll, de Arizona, e uma menina de nove anos morreram.

 

O presidente ainda pediu que todos os americanos rezem pela deputada e por todos os que foram baleados no incidente. Anteriormente, ele havia divulgado um comunicado chamando o episódio de "tragédia inqualificável".

 

Tiros à queima-roupa

 

Testemunhas disseram que um homem correu no meio da multidão chegou perto da deputada e abriu fogo contra ela e sua equipe, segundo o jornal The Tucson Citizen. Não há mais informações sobre o que teria motivado do crime. O suspeito está sob custódia e foi identificado como sendo Jared Loughner, segundo pessoas próximas da investigação. A arma usada foi recolhida e o atirador é interrogado.

 

De acordo com o New York Times, um homem disse ter visto o criminoso atirar "cerca de 20 vezes há menos de um metro da deputada". A mesma fonte disse que algumas pessoas que compareciam ao evento conseguiram imobilizar o atirador após os disparos.

 

Na última mensagem postada no seu perfil no Twitter, Gabrielle anunciou que estava indo ao evento. "Meu primeiro 'Congress on Your Corner' começa agora. Passe para dar sua opinião", postou a democrata.

Casada com o astronauta Mark Kelly, ela é um dos expoentes jovens mais populares entre os democratas da Câmara e mantém boas relações com os adversários do Partido Republicano.

A deputada foi eleita pela terceira vez em novembro. Em março, seu comitê em Tucson foi vandalizado após a Câmara aprovar a revisão da reforma do sistema de saúde dos EUA. Gabrielle promoveu vários eventos desde que foi eleita pela primeira vez, em 2006. Em um deles, em 2009, um manifestante foi levado pela polícia depois que deixou sua arma cair.

 

Ela também estava em um mapa elaborado pela republicana Sarah Palin de parlamentares democratas a serem "eliminados" por apoiar a reforma da saúde do presidente Barack Obama.

 

Atualizado às 20h09

 

Polícia chega ao local para investigar tiroteio.

 

Imagens da televisão local mostra médicos levando feridos para o hospital.

 

Policiais do Capitólio averiguam gabinete de Gabrielle antes de falar à imprensa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.