Deputada baleada no Arizona continua em estado grave

A democrata Gabrielle Giffords participava de evento político quando foi alvejada em ataque que matou seis pessoas; apesar do risco, médico diz estar otimista sobre recuperação

Alessandra Corrêa, BBC

09 de janeiro de 2011 | 09h27

WASHINGTON - Continua internada em "estado grave" a deputada federal democrata americana Gabrielle Giffords, de 40 anos, baleada no sábado durante um evento em Tucson, no Estado do Arizona, em um ataque que deixou pelo menos seis mortos - entre eles uma criança de nove anos - e 12 feridos.

 

Veja também:

linkSuposto atirador tem 'passado problemático'

linkAutoridades pedem que deputados 'tomem precauções'

linkObama chama incidente de 'tragédia inqualificável'

Giffords foi atingida com um tiro a queima-roupas na cabeça e levada para o Centro Médico Universitário de Tucson, a cerca de 15 quilômetros do local, onde foi submetida a uma cirurgia. Apesar de ainda correr risco de vida e da gravidade do ferimento, o médico que vem tratando a democrata afirmou estar "muito otimista sobre a sua recuperação".

 

Polícia busca agora um suposto comparsa do atirador Jared Loughner

Perturbado. O suposto agressor foi identificado como Jared Loughner, um jovem de 22 anos, que teria um passado conturbado. Ex-colegas afirmaram que o jovem é "obviamente perturbado" e uma pessoa solitária, que divulgou diversos vídeos e mensagens antigovernistas em redes sociais na internet.

O jovem teria tentado fugir após abrir fogo, mas foi preso logo após o ataque. A polícia ainda está à procura de um suposto comparsa do jovem, e divulgou imagens de um homem de cabelos pretos entre 40 e 50 anos.

O presidente Barack Obama disse que o incidente é uma "tragédia indescritível" e confirmou que, entre as vítimas, está o juiz federal John Roll, do Arizona. "Um ato de violência terrível e sem sentido como esse não tem espaço em uma sociedade livre", disse Obama em um comunicado.

Pouco depois, em um pronunciamento na Casa Branca, o presidente disse que enviou a Tucson o diretor do FBI (a polícia federal dos Estados Unidos), Robert Mueller, para acompanhar pessoalmente as investigações

Estrela. Considerada uma estrela em ascensão no Partido Democrata, do presidente Obama, Giffords foi reeleita para seu terceiro mandato nas eleições legislativas de novembro. Obama disse que Giffords é sua amiga e muito querida por seus colegas e eleitores.

"Não estou surpreso que hoje Gabby estava fazendo o que sempre faz, ouvindo as expectativas e preocupações de seus vizinhos", disse o presidente norte-americano. A deputada foi baleada diante de dezenas de pessoas, em frente a um supermercado da rede Safeway, onde promovia um evento político chamado "Congress on your Corner" (O Congresso na sua esquina, em tradução livre), em que se encontrava regularmente com a população.

Desde que assumiu seu primeiro mandato na Câmara dos Representantes (deputados federais), em janeiro de 2007, ela costumava organizar eventos desse tipo. Em um desses encontros, em 2009, um manifestante chegou a ser retirado do local depois que sua arma caiu no chão. O encontro deste sábado era o primeiro desde que foi reeleita.

 

Vigília é feita em frente ao Hospital de Tucson, onde Giffords permanece internada

História. Nascida em Tucson, Giffords é casada com o astronauta Mark Kelly e foi a mulher mais jovem a ser eleita para o Senado do Arizona, aos 30 anos.

Pertencente à ala centrista do Partido Democrata, a deputada defende os direitos de portadores de armas e o rigor na fiscalização da fronteira com o México para coibir a imigração ilegal, mas se opõe à nova lei de imigração do Arizona, que torna crime a presença de imigrantes ilegais.

A deputada desagradou aos conservadores de seu Estado, fortemente dominado pelo Partido Republicano, ao apoiar a reforma da saúde proposta por Obama e aprovada em março do ano passado em meio a grande oposição dos republicanos.

Logo após a aprovação da lei na Câmara, o escritório da deputada em Tucson foi vandalizado.

Sarah Palin. Uma das figuras mais populares do movimento conservador Tea Party, a ex-candidata republicana à vice-presidência Sarah Palin, chegou a incluir Giffords em uma lista de políticos que o movimento deveria tentar remover do poder nas eleições de novembro.

A disputa foi acirrada, e Giffords acabou reeleita com uma diferença de apenas 4 mil votos sobre seu adversário republicano, apoiado pelo movimento conservador Tea Party. A lista divulgada por Palin, composta por 20 nomes, vinha ilustrada com o desenho de uma mira telescópica, comum em algumas espingardas. Neste sábado, Palin postou em sua página no site de relacionamentos Facebook uma mensagem em que oferece "sinceras condolências" às famílias de Giffords e das vítimas do ataque.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
estados unidosdeputadabaleada

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.