Reuters
Reuters

Deputada do Partido Trabalhista é morta a tiros na Inglaterra

Jo Cox havia sido ferida e levada para um hospital de Leeds, mas não resistiu aos ferimentos. Um homem foi preso e polícia investiga sua ligação com o grupo pró-Brexit

Fernando Nakagawa, correspondente / Londres, O Estado de S. Paulo

16 Junho 2016 | 10h54

A uma semana do referendo para definir o futuro do Reino Unido na União Europeia, a campanha eleitoral foi brutalmente abalada com a morte de uma deputada do Partido Trabalhista. Jo Cox, de 41 anos, foi alvo de tiros na cidade de Birstall, no centro da Inglaterra, e morreu após chegar ao hospital.

Um homem de 52 anos foi preso e a polícia investiga suposta ligação do atirador com um grupo de extrema direita anti-imigração e a favor do Brexit. A parlamentar defendia a permanência do país na UE.

O ataque ocorreu nas proximidades de uma biblioteca pública onde a parlamentar atendia eleitores da cidade que fica a cerca de 300 quilômetros de Londres. Testemunhas afirmam que o ataque ocorreu pouco antes das 13 horas (9 horas em Brasília) quando a parlamentar teria tentado intervir em uma discussão entre duas pessoas na rua. A parlamentar teria levado três tiros e facadas. 

Após o ataque, um homem de 52 anos, cujo nome seria Thomas Mair, foi preso nas proximidades. Nas redes sociais, circula uma gravação em que dois policiais imobilizam um homem branco e o prendem em seguida. Vizinhos qualificaram o acusado como “solitário”. A polícia informou que, com essa detenção, “ninguém mais está sendo procurado” no caso.

Uma das testemunhas do crime disse à imprensa local que o atirador teria gritado “Britain first” antes do ataque. Britain first (Grã-Bretanha primeiro, em português) é um grupo político de extrema direta com discurso radical contra imigrantes e favorável ao Brexit. A informação não foi confirmada pela polícia, mas as autoridades disseram que convocarão testemunhas para investigar a afirmação e ressaltaram que se trata de um “incidente localizado”.

A morte da jovem deputada chocou o mundo político britânico. Imediatamente após a notícia do ataque a campanha pelo Brexit e o grupo favorável à permanência na UE anunciaram a suspensão das atividades eleitorais sem prazo determinado para o retorno. Alguns parlamentares acreditam que as atividades de campanha podem ficar suspensas durante todo o fim de semana.

Políticos de todas as vertentes políticas suspenderam agendas para demonstrar apoio e respeito à família da deputada. O premiê David Cameron disse que a tragédia tirou a vida de uma “brilhante parlamentar com um coração enorme” que foi classificada como “estrela do Parlamento”. 

Com o tamanho choque do mundo político, começou a circular o rumor de que a própria votação marcada para a próxima quinta-feira (23) poderia ser adiada. A informação não foi confirmada pelo governo. O boato, porém, é sustentado pela enorme consternação e a preocupação dos próprios parlamentares com a segurança. Várias entidades, da emissora BBC ao Fundo Monetário Internacional, anunciaram adiamento ou cancelamento de eventos relacionados ao referendo. No mercado financeiro, o rumor conseguiu inverter a tendência da libra esterlina que passou a subir diante do dólar no início da noite. 

Favorável à permanência dos britânicos na UE, Jo Cox fez carreira no terceiro setor e, antes de entrar na política, foi uma das chefes de umas das maiores organizações não-governamentais do Reino Unido, a Oxfam. Na sexta-feira, a deputada publicou um artigo no jornal The Yorkshire Post com o título “Brexit não é a resposta para a preocupação real com a imigração”. 

Um dia antes do ataque, o marido da parlamentar e as duas filhas do casal participaram de um protesto bem humorado contra o Brexit feita por diversos barcos no Rio Tâmisa. A ação foi organizada como resposta à chamada “flotilha do Brexit” – manifestação de barcos em favor da saída da UE que ocorreu no mesmo horário no rio que corta Londres e passa em frente ao Parlamento. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.