Deputada israelense defende direitos humanos de palestinos

"Os palestinos capturaram o soldado Guilad Shalit, e isto é intolerável. Mas, ao mesmo tempo, o Exército (de Israel) impede o funcionamento de uma usina elétrica em Gaza, fecha as fronteiras e as pessoas esperam dia após dia sob o sol para passar de Gaza ao Egito", denuncia um relatório da Comissão Internacional de Direitos Humanos a ONU,citado pela deputada israelense Zahava Gal-On, defensora dos direitos humanos do povo palestino.Zahava Gal-On pediu ao governo do primeiro-ministro Ehud Olmert e à opinião pública que deixem de lado sua "apatia" diante do sofrimento do povo palestino e respeitem os direitos humanos em Gaza e na Cisjordânia. "Chega desta síndrome de tranqüilidade, em que dizemos: ´tudo bem, morreram mais não sei quantos palestinos mais´ como se fosse rotina", criticou a deputada da frente pacifista Meretz, deoposição. Segundo a organização israelense B´Tselem, que luta pelosdireitos humanos em Gaza e Cisjordânia, em agosto as Forças Armadas de Israel mataram 226 palestinos. O relatório foi elaborado por John Dugart durante uma visita à Faixa de Gaza e será apresentado na sexta-feira em Genebra. Segundo a legisladora pacifista, a situação dos palestinos emGaza favorece a ascensão da organização islâmica Hamas, que exerce atualmente o governo da Autoridade Nacional Palestina (ANP) e senega a reconhecer o Estado de Israel. "O governo israelense deve sair do círculo vicioso da violência, promovendo opções políticas", sugeriu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.