Deputado anti-LGBT renuncia após flagra de sexo com homem nos EUA

Deputado anti-LGBT renuncia após flagra de sexo com homem nos EUA

Wes Goodman, deputado republicano em Ohio, fez carreira defendendo a "família tradicional" e atacando casais gays; ele teria se envolvido com vários homens, segundo jornal de Ohio

O Estado de S.Paulo

18 Novembro 2017 | 16h14

Em público, o deputado estadual republicano Wesley Goodman, de Ohio, foi uma estrela conservadora, defensor fervoroso das causas “pró-família” e anti-LGBT. Sua ascensão fulminante, em menos de dez anos, baseou-se um discurso virulento contra a união homoafetiva e na defesa da “família tradicional”. "Famílias saudáveis, vibrantes, orientadas a valores e que prosperam são a fonte da história orgulhosa de Ohio e a chave para o futuro grandioso de Ohio", dizia seu site de campanha.

No privado, no entanto, Goodman trocava mensagens apimentadas com homens gays que conheceu na Assembleia Legislativa de Ohio, e enviou mensagens sexualmente sugestivas a alguns jovens que conheceu no local. A dupla vida de Goodman terminou na quinta-feira, dia 16, quando ele renunciou ao seu mandato de deputado em Ohio depois que o presidente da Câmara, Cliff Rosenberger, foi alertado para o envolvimento de Goodman em “comportamento inadequado” com outro homem em seu gabinete na Assembleia.

O jornal "Columbus Dispatch" destacou que Wes Goodman, de 33 anos, foi surpreendido enquanto fazia sexo com o visitante. A publicação também entrevistou dois homens que alegam ter trocado mensagens e encontrado “algumas vezes” Wes Goodman. “Nós nos encontramos várias vezes, e ele nunca me assediou. Sabíamos bem o que estávamos fazendo - e gostávamos bastante do que fazíamos”, afirmou ao jornal Johnny Hadlock, um ex-integrante do gabinete do congressista.

Brad Miller, porta-voz do líder republicano do Legislativo de Ohio, Cliff Rosenberger, explicou à mídia americana que o parceiro do agora ex-deputado não era funcionário nem tinha cargo eletivo na Casa. O encontro foi consensual, mas "inapropriado para um representante estadual", segundo ele. Goodman aceitou e confirmou as alegações a Rosenberg, segundo nota enviada à Associated Press.

Na biografia do Twitter, Goodman se descrevia como "cristão, americano, conservador, republicano" e ainda citava a mulher, Beth, uma das ´principais lideranças antiaborto de Ohio. Uma das principais plataformas políticas de Goodman era a defesa do "casamento natural", que ocorreria apenas entre um homem e uma mulher.

Em nota, Goodman pediu desculpas a quem tenha se desapontado com sua conduta, e pediu privacidade para começar o "próximo capítulo da vida". “Todos trazemos nossas próprias lutas e provações à vida pública. Isso tem sido verdade para mim, e sinceramente me arrependo que minhas ações e minhas escolhas tenham me impedido de servir meus eleitores e nosso Estado de maneira que reflita os melhores ideais do serviço público. Para aqueles a quem desapontei, sinto muito", escreveu em sua nota.

Mais conteúdo sobre:
Ohio [Estados Unidos] Homofobia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.