Deputado da oposição é assassinado no Quênia

Mugabe Were é morto a tiros na porta de casa; crime pode ampliar o conflito político e étnico no país

Agências internacionais,

29 de janeiro de 2008 | 06h01

O deputado de oposição Mugabe Were foi morto a tiros nesta terça-feira, 29, na capital queniana, Nairóbi informou a polícia local. O assassinato do parlamentar poderá aumentar o conflito político e étnico no país, que já matou 800 pessoas.    Veja também: Entenda a crise pós-eleitoral do Quênia  Violência se agrava no Quênia; mais de 800 mortos   Dois homens atiraram contra Were quando ele chegava de carro em sua casa, no subúrbio da capital, pouco depois da meia-noite, disse o porta-voz da polícia, Eric Kiraithe. "Estamos tratando o caso como homicídio, mas não descartamos qualquer motivação para o crime, incluindo política" declarou.   Partidários do governo e da oposição do Quênia estavam frente a frente no bairro de Kibera, em Nairóbi, após o assassinato do deputado opositor. Uma ferrovia e forças policiais separam partidários da oposição, da etnia luo, e do governo, da etnia quicuio, o que gera o temor por novos enfrentamentos tribais em Kibera.   Segundo um repórter da Reuters, dois helicópteros militares abriram fogo contra uma multidão que ameaçava membros da tribo luo abrigados em uma delegacia na cidade de Naivasha, no Vale do Rift.   Na ferrovia estão os corpos de três pessoas da etnia luo, e entre os moradores de Kibera se fala de possíveis castrações de membros desse mesmo grupo étnico.   Enquanto cresce a tensão em Nairóbi e em outros pontos do país, está marcado o lançamento formal das negociações entre o governo e a oposição para tentar encerrar a crise que se arrasta há um mês. A equipe de mediadores, dirigida pelo ex-secretário-geral da ONU Kofi Annan, anunciou nesta terça que a primeira reunião entre as partes começará às 16h (11 de Brasília).   Ainda não se sabe se dessa primeira reunião participarão o presidente Mwai Kibaki e o líder do ODM, Raila Odinga, que já se reuniram em uma primeira ocasião até agora, desde que explodiu a crise, graças à mediação de Annan.   Matéria ampliada às 7h40.

Tudo o que sabemos sobre:
Quêniaconflito étnico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.