Deputado é assassinado a tiros no norte do Afeganistão

Um deputado regional foi assassinado por supostos rebeldes talibãs em sua residência no norte do Afeganistão, que ainda registra atentados suicidas quase que diariamente, segundo confirmaram fontes oficiais. "Vários homens entraram ontem na casa de Syed Agha Sediq, deputado da Câmara provincial de Takhar, e dispararam contra ele, provocando sua morte", disse o chefe da Polícia da província, Mohamad Zaman Mamozai. Mamozai acusou pelo assassinato os "inimigos do Afeganistão", um termo que as autoridades utilizam habitualmente para designar os membros do deposto regime ultra-integrista islâmico Talibã, que lutam contra o Governo liderado por Hamid Karzai. Takhar, fronteiriça com o Tadjiquistão, é uma das províncias mais pacíficas do país -onde não atuam normalmente os grupos talibãs-, mas, no entanto, registra confrontos violentos entre diferentes grupos de narcotraficantes e também entre ex-milicianos afegãos. Sediq tinha manifestado em diversas ocasiões sua contrariedade com relação ao tráfico de drogas que abunda na província, e era partidário do presidente Karzai, que classificou sua morte como "uma perda irreparável para o povo do Afeganistão". Enquanto isso, no sul do país continuaram os atentados suicidas, e um suposto talibã morreu ontem na explosão do carro em que estava perto de um comboio militar no distrito de Miwand, na província de Kandahar, uma das mais conflituosas do país. Um soldado afegão ficou ferido no incidente, segundo informou o comando militar americano no país, e o veículo atacado ficou ligeiramente danificado. Na sexta-feira foram registrados, nas províncias de Kandahar e Paktia (sudeste do Afeganistão) ataques suicidas contra as Forças de Segurança. Um policial ficou ferido e dois rebeldes morreram. Na última semana ocorreram no Afeganistão sete ataques suicidas, todos eles perpetrados por supostos talibãs.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.