Deputado governista venezuelano é assassinado em casa

O deputado Roberto Serra, do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), e sua mulher, María Herrera, foram mortos na residências do casal em Caracas na noite de quarta-feira.

PRISCILA ARONE, COM INFORMAÇÕES DA ASSOCIATED PRESS, Estadão Conteúdo

02 de outubro de 2014 | 15h26

Serra, de 27 anos, e a mulher foram encontrados no interior da casa localizada no bairro de La Pastora, norte da capital, que, segundo vizinhos, era utilizada pelo deputado para reuniões políticas.

Cerca de dez membros da polícia judicial foram nesta manhã ao local do assassinato para iniciar as investigações, recolher provas e interrogar vizinhos e pessoas vinculadas ao casal.

Para o ministro de Relações Exteriores venezuelano, Miguel Rodríguez Torres, o assassinato foi planejado e organizado. "Não se trata de um acontecimento aleatório cometido pela delinquência comum. Estamos na presença de um homicídio intencional e executado com grande precisão", afirmou o ministro ao falar sobre os resultados preliminares da investigação.

Segundo afirmou ele em transmissão pela televisão estatal, o assassinato do casal foi um "encomenda macabra" que foi cometido com "muita técnica", num período entre 15 e 20 minutos. O ministro não divulgou detalhes sobre a possível motivação do assassinato, afirmando apenas que espera que a polícia encontre logo os autores materiais e intelectuais do crime.

Os funerais do deputado começam nesta quinta-feira, na Assembleia Nacional.

Serra, advogado e ex-líder estudantil que foi contrário aos protestos de estudantes alinhados com a oposição em 2007, foi eleito em 2010. Ao assumir o cargo, meses depois, tinha apenas 23 anos, o que fez dele o membro mais jovem da Assembleia Nacional na época.

A Venezuela é um dos países mais violentos da região, com uma taxa de homicídio que, segundo registros oficiais é de 39 para cada 100 mil habitantes. De acordo com cálculos da ONG Observatorio Venezolano de Violencia, no ano passado a taxa foi de 79 para cada 100 mil habitantes.

Tudo o que sabemos sobre:
Venezueladeputadoassassinato

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.