Deputado manda que americanos deixem a Bolívia

No dia em que uma manifestação reuniu dezenas de deputados e simpatizantes do opositor Movimento ao Socialismo (MAS) diante da embaixada dos EUA em La Paz, contra os preparativos de Washington para invadir o Iraque, o líder camponês e deputado Felipe Quispe deu um prazo de 48 horas para que todos os americanos no país abandonem a Bolívia, sob a advertência de que se aproxima uma onda de protestos como os de 12 e 13 de fevereiro, em que morreram 32 pessoas.Quispe, principal dirigente da Confederação Sindical Única de Trabalhadores Camponeses da Bolívia e deputado pelo Movimento Indígena Pachakuti (MIT), ameaçou com bloqueios de estradas e protestos se os americanos residentes não abandonarem a Bolívia e estendeu a ameaça ao presidente boliviano, Gonzalo Sánchez de Lozada - que estudou nos EUA e fala com sotaque americano -, exigindo que ele também deixe o país. O líder camponês, que cumpriu pena de prisão nos anos 90 por delitos de terrorismo, é conhecido por suas declarações altissonantes. "Voem, voem os aviões para Washington", gritavam por sua vez, em uníssono, os legisladores do MAS, acompanhados por membros de entidades de direitos humanos e da Associação de Familiares dos Desaparecidos. Perante uma nervosa guarda policial da embaixada, os manifestantes escreveram na calçada diante da sede a legenda "Bush assassino", e desenharam ao lado uma suástica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.