REUTERS/Yorgos Karahalis
REUTERS/Yorgos Karahalis

Deputado neonazista grego pede que Exército tome o poder e 'corte a cabeça' de premiê

Konstantinos Barbarusis fez essa chamada durante seu discurso no debate sobre a moção de censura contra o governo de Alexis Tsipras pelo acordo com a Macedônia para resolver o problema do nome da ex-república iugoslava

O Estado de S.Paulo

15 Junho 2018 | 15h38

ATENAS - Um deputado do partido neonazista grego Amanhecer Dourado pediu nesta sexta-feira, 15, às Forças Armadas que derrubem o governo em discurso pronunciado no plenário do Parlamento, o que motivou sua expulsão da Casa.

O deputado Konstantinos Barbarusis fez esta chamada durante seu discurso no debate sobre a moção de censura contra o governo de Alexis Tsipras pelo acordo com Skopje para resolver o problema do nome da ex-república iugoslava da Macedônia.

Barbarusis pediu que o Exército "respeite seu juramento" de defender a pátria e detenha Tsipras, seu parceiro de coalizão Panvos Kammenos (mais tarde ministro de Defesa) e o presidente da república, Prokopis Pavlopoulos, para "evitar a traição".

O parlamentar foi ainda além e pediu que eles tenham as cabeças cortadas e atiradas no Lago de Prespà, na fronteira entre a Grécia e a Macedônia, onde nos próximos dias está prevista a assinatura do acordo uma vez que Tsipras tenha superado a moção de censura, como está previsto que ocorra, a não ser que haja surpresas.

+Partido neonazista grego celebra eleição de Trump como vitória a favor de nações ‘etnicamente limpas’

A Comissão de Ética do Parlamento decidiu expulsar todos os deputados de Amanhecer Dourado e exclui-los do resto do debate.

Além disso, o ministro de Justiça, Stavros Kondinis, enviou à Promotoria a ata com as declarações do deputado em questão para que analise se constituíu um crime .

Em comunicado, o presidente do Amanhecer Dourado, Nikolaos Mijaloliakos, afirmou que a postura do parlamentar não só não corresponde com a linha do partido, mas fez um favor ao governo, ao invés de abordar o problema da "traição" na questão da Macedônia. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Grécia [Europa]Neonazismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.