J. Scott Applewhite/AP Photo
J. Scott Applewhite/AP Photo

Deputado 'pró-vida' que pediu para amante abortar renuncia nos EUA

Renúncia ocorre menos de 24 horas depois de ele anunciar planos para se aposentar; congressista estava em seu oitavo mandato

O Estado de S.Paulo

05 Outubro 2017 | 17h27

PITTSBURGH – Tim Murphy, o deputado republicano contrário ao aborto que pediu para a amante que fizesse um, renunciou nesta quinta-feira, 5, menos de 24 horas depois de anunciar planos para se aposentar em 2018

+ Deputado americano contra o aborto pede a amante que faça um

"Nesta tarde, eu recebi uma carta de renúncia do congressista Tim Murphy, que se torna efetiva no dia 21", declarou o presidente da Câmara dos Deputados, o republicano Paul Ryan, em comunicado. "Foi uma decisão do doutor Murphy em virar esse capítulo na sua vida, e eu o apoio."

O caso ganhou grande repercussão  depois que o jornal Pittsburgh Post-Gazette publicou uma reportagem com base em uma mensagem da amante do deputado, a médica forense Shannon Edwards. O caso extraconjugal veio à tona em meio ao processo de divórcio do deputado. 

De acordo com o jornal, na mensagem do dia 25 de janeiro ao qual a publicação teve acesso, Shannon expressou o que aconteceu. “(Murphy) não teve problema nenhum em colocar sua posição pró-vida de lado quando me pediu para abortar nosso filho na semana passada quando nós pensávamos que eu poderia estar grávida”, afirmou ela, segundo o jornal.

A mensagem enviada do telefone de Murphy em resposta a de Shannon afirma que seu gabinete foi o responsável pelo pedido do aborto. “Eu nunca escrevi isso. Meu pessoal faz isso. Eu li isso e estremeci. Eu disse a eles (pessoal) que não fizessem mais isso”, afirmou o deputado. Shannon, no fim das contas, não estava grávida.

Murphy estava em seu oitavo mandado representando um distrito no sudoeste da Pensilvânia./ AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.