Deputado russo entra em coma após bater Ferrari na França

O multimilionário e deputado russo Suleyman Kerimov foi hospitalizado no sábado após sofrer graves queimaduras em um acidente automobilístico na cidade de Nice, no sudeste da França. A Justiça francesa abriu uma investigação preliminar para apurar as causas da batida, segundo fontes judiciais. Acompanhado por uma mulher, Kerimov dirigia uma Ferrari Enzo quando o veículo saiu da pista no famoso Passeio dos Ingleses, no balneário de Côte D´Azur. O veículo chocou-se contra uma árvore e pegou fogo imediatamente. Kerimov, de 40 anos, sofreu queimaduras em 70% do corpo e permanece internado em Marselha, onde está em coma induzido. O deputado russo comprou o carro - cujo valor estimado é de US$ 1 milhão - na manhã do sábado, em uma loja de carros esportivos de Nice. A Ferrari, de cor preta, tem 600 cavalos de potência. Segundo a polícia, várias testemunhas viram a Ferrari circulando em alta velocidade pelo Passeio dos Ingleses. Em uma das passagens, o carro perdeu a aderência, bateu em uma árvore e pegou fogo. Kerimov teve que rolar na grama para apagar as chamas que atingiram seu corpo. Classificado como possuidor da 72ª maior fortuna do mundo no ranking da revista Fobes e dono de uma residência em Antibes, perto de Nice, Kerimov é considerado próximo ao presidente russo, Vladimir Putin. A mulher que acompanhava o deputado foi identificada pela imprensa russa como Tina Kandelaki, um conhecida apresentadora de rádio e televisão da Rússia. A polícia de Nice confirmou o nome da mulher, mas não pôde informar se tratava-se da celebridade russa. Kandelaki, de 31 anos, foi hospitalizada no sábado para receber tratamento devido a queimaduras superficiais, mas já recebeu alta e voltou a Moscou. Além do trabalho como parlamentar, Kerimov é o dono do grupo de investimentos Nafta-Moskva, que controla a mineradora de ouro e prata Polymetal. Além disso, ele possui holdings ligadas à gigante estatal russa Gazprom e um banco.

Agencia Estado,

27 Novembro 2006 | 17h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.