Deputados brasileiros ouvem críticas em Honduras

Seis deputados brasileiros tomaram hoje, no Congresso Nacional hondurenho, uma aula sobre como preparar um golpe de Estado supostamente legal. Ouviram ainda da comunidade brasileira residente no país um explícito apoio ao governo de facto de Honduras e à edição do decreto que instaurou o estado de sítio no último fim de semana. A missão da Câmara de Deputados recebeu ainda uma dura crítica da Corte Suprema de Justiça à interferência do governo brasileiro na crise hondurenha, ao permitir o abrigo do presidente Manuel Zelaya em sua embaixada e ao esquivar-se de definir o status do seu hóspede.

DENISE CHRISPIM MARIN, Agencia Estado

01 de outubro de 2009 | 19h55

Liderada pelo deputado Raul Jungmann (PSB-PE), a missão enfrentou dificuldades para ultrapassar as barreiras do Exército e da Polícia Nacional, para ingressar na embaixada brasileira. Só teve sucesso porque o Congresso e a Corte Suprema deram expressa autorização.

Pouco antes, os deputados haviam visitado as duas instituições cientes de que seus interlocutores eram articuladores do golpe de Estado de 28 de junho, que derrubou Zelaya, e que hoje são pilares de sustentação do presidente de facto, Roberto Micheletti - que não foi visitado pela missão.

Em ambos os encontros, Jungmann insistiu em que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o chanceler Celso Amorim desconheciam a "articulação para que Zelaya se materializasse na embaixada brasileira". Jungmann tentou explicar que, de acordo com a tradição da diplomacia brasileira, não havia como recusar o pedido de abrigo. Mas, completou ele, o governo Lula se sente desconfortável com a interferência de Zelaya, de dentro da embaixada, na vida política do país.

"Essa é uma missão de seis deputados, dos quais quatro da oposição. Mesmo sendo críticos à atuação do Brasil, estamos convencidos que não houve participação do presidente Lula nem do chanceler Amorim", afirmou Jungmann aos ministros da Corte e à Junta Diretora do Congresso.

Os deputados ingressaram ao Parlamento hondurenho pela garagem. No salão nobre, foram recebidos pelo presidente do Congresso, deputado José Saavedra, do Partido Liberal. "Os senhores sabem que movemos um processo de impeachment em 1992, que levou à renúncia do presidente Fernando Collor de Mello. A nossa perplexidade é: por que Zelaya não teve direito à defesa?", questionou Jungmann. A resposta deveria vir durante o almoço oferecido por Saavedra. "Ele ficou mudo", relatou Ivan Valente.

Condenação

No encontro com a Comunidade Brasileira de Residentes em Honduras, os deputados foram surpreendidos pela total condenação das "ações do Itamaraty, que marcaram um retrocesso nas relações diplomáticas" bilaterais, e do "fato de que o nosso governo não levou em consideração o nosso bem-estar".

A insatisfação foi transcrita em um manifesto, entregue aos parlamentares e publicado no jornal El Heraldo, porta-voz do governo de facto. O que mais impressionou os deputados, entretanto, foi a defesa dos brasileiros ao Estado de Sítio. Em especial, à presença ostensiva de tropas do Exército pelas ruas de Tegucigalpa.

"Estamos nos sentindo mais seguros e tranquilos. Medo eu tenho do povo da resistência", afirmou a administradora de empresas Sandra Estrada.

Tudo o que sabemos sobre:
HondurasdeputadosmissãoManuel Zelaya

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.