Deputados decidem manter protesto no Irã

Deputados iranianos decidiram manter seu protesto diário, sentando-se diante do Parlamento, em Teerã, apesar da intervenção do líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, na crise política do país. Na quarta-feira o aiatolá ordenou ao Conselho dos Guardiães da Constituição a revisão dos vetos à candidatura de milhares de reformistas nas eleições parlamentares de 20 de fevereiro. Os conselheiros haviam proibido, também, 83 deputados reformistas de disputarem a reeleição.No entanto, altos funcionários disseram hoje que 16 membros do governo (12 ministros e 4 vice-presidentes) e 27 governadores de Estado vão em breve retirar sua ameaça de renúncia. Eles haviam dito que entregariam os cargos se o conselho mantivesse as restrições.O deputado Meysan Saeidi, um dos excluídos, disse que ele e seus colegas manterão o protesto até que os cerca de 3 mil nomes vetados sejam liberados. "Nossa exigência é de eleições livres e justas. Nós continuaremos os protesto até que estejamos confiantes em que o processo foi revertido", assinala um manifesto distribuído por cerca de 90 parlamentares que têm participado das manifestações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.