Deputados dos EUA acusam Chávez de 'intimidar' judeus

Dezesseis congressistas da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos enviaram ontem uma carta ao presidente da Venezuela, Hugo Chávez, para condenar o ataque a uma sinagoga de Caracas, ocorrido na sexta-feira. Além disso, eles pediram que Chávez "ponha fim à intimidação e incitação contra a comunidade judaica" no país latino. "Chegou o momento de falar firme e claramente contra o clima de medo e intimidação que criou o presidente Chávez contra a comunidade judaica", afirmou Eliot L. Engel, democrata representante de Nova York e presidente do subcomitê para o Hemisfério OcidentalOs congressistas dos Estados Unidos afirmam ainda que Chávez deve "baixar o tom hostil de sua retórica contra o Estado de Israel a um nível apropriado para o diálogo diplomático". No texto, eles pedem ao mandatário venezuelano que garanta à comunidade judaica a "firme proteção que merece".A sinagoga foi atacada por vândalos na sexta-feira. O governo venezuelano condenou o ato e pediu uma investigação. Chávez afirmou que "inimigos políticos" de sua administração são os responsáveis pela violência. A Venezuela terá no dia 15 de fevereiro um referendo para decidir sobre a possibilidade de reeleições ilimitadas para cargos eletivos públicos. Com isso, Chávez, há dez anos na presidência, poderia se candidatar novamente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.