Deputados pedem a prisão do ex-presidente argentino De la Rúa

Um grupo de deputados, entre eles Elisa Carrió, líder do partido de centro-esquerda Alternativa por uma República Igualitária (ARI), pediu nesta domingo a prisão do ex-presidente argentino Fernando De la Rúa, acusado de ter ordenado o pagamento de subornos aos senadores em abril do ano 2000 para que aprovassem a impopular lei de reforma trabalhista. Nesta semana, De la Rúa prestará depoimento na Justiça sobre o caso.O escândalo ressurgiu na sexta-feira, quando o ex-pró-secretário do Senado, Mario Pontaquarto, arrependido, confessou à revista TXT que havia recebido a ordem de De la Rúa para pagar US$ 5 milhões a um grupo de senadores para conseguir a aprovação da reforma trabalhista, que era exigida pelo FMI.Nesta segunda-feira, Pontaquarto deverá apresentar documentos ao juiz Norberto Oyarbide, provavelmente com a lista dos nomes dos envolvidos. Na lista, além de ministros do governo De la Rúa, também estariam nomes de parlamentares e governadores dos dois maiores partidos do país, a União Cívica Radical (UCR) e o Justicialista (Peronista).Se for detido, De la Rúa seria o segundo presidente argentino a ir para trás das grades. O primeiro foi o ex-presidente Carlos Menem, que ficou cinco meses em prisão domiciliar, por ter mais de 70 anos. No entanto, De la Rúa não teria o mesmo privilégio, já que tem 66 anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.