Derrota eleitoral foi responsável pela queda de Rumsfeld

O ?falcão? Donald Rumsfeld, um dos principais políticos linha-dura dos círculos conservadores de Washington, havia aparentemente entrado fortalecido no segundo mandato do presidente George W. Bush, iniciado em 2005. Isso porque ele sobreviveu à crise desencadeada pelas fotos de prisioneiros iraquianos sendo torturados por soldados dos EUA na prisão de Abu Ghraib, e Bush já recusara dois pedidos de demissão apresentados pelo secretário por conta dessa crise. Além disso, o principal adversário de Rumsfeld no gabinete, o general Colin Powell, fora substituído como secretário de Estado pela professora de Stanford Condollezza Rice, e não voltaria tão cedo ao governo.A condução da guerra do Iraque, vista por muitos analistas como desastrosa ? com problemas que vão desde a violação de direitos humanos por parte de soldados americanos, chegando à virtual imersão do país numa guerra civil e passando por problemas logísticos como a falta de equipamento adequado para os soldados ?, fez de Rumsfeld um alvo preferencial da oposição democrata, que agora chega ao controle de pelo menos uma das Casas do Congresso. Os seis anos no gabinete de Bush marcam a segunda passagem de Rumsfeld pelo cargo de chefe do Departamento de Defesa: em 1975, ele havia sido nomeado para o mesmo posto pelo então presidente Gerald Ford. Foi o mais jovem ocupante do posto. Antes de integrar o gabinete de governo, Rumsfeld foi deputado pelo Partido Republicano, entre 1962 e 1969, eleito por seu Estado natal, Illinois e embaixador dos EUA na Otan.Além de atuar no serviço público, Rumsfeld trabalhou como alto executivo em grandes empresas, nos setores de comunicação, bancário e farmacêutico. Ele nasceu em 9 de julho de 1932, em Chicago. Foi piloto militar da Marinha nos anos 50. É casado com Joyce Pierson Rumsfeld desde 1954. Tem três filhos: Valerie, Marcy e Nicholas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.