AFP PHOTO / STR
AFP PHOTO / STR

Desabamento em central elétrica na China deixa mais de 60 mortos

Instalação estava sendo ampliada desde julho de 2015 para a construção de dois geradores extras; 30 caminhões de bombeiros e 212 militares trabalham no local em busca de sobreviventes

O Estado de S.Paulo

24 de novembro de 2016 | 07h30

PEQUIM - O desabamento de uma central elétrica em construção no centro da China deixou 67 pessoas mortas nesta quinta-feira, 24, segundo a agência de notícias estatal Xinhua. O acidente aconteceu às 07h locais (21h de quarta-feira em Brasília) na central de Fengcheng, Província de Jiangxi. Dois funcionários ficaram feridos e um permanece desaparecido.

As imagens divulgadas pela agência mostram uma massa cinza composta pelos restos de concreto quebrado, ferros retorcidos e pedaços variados de metal. Equipes de resgate tiraram um dos mortos debaixo dos escombros.

No local, estão mais de 30 caminhões de bombeiros, 212 militares, 9 cães treinados e 2 drones, segundo anunciaram os bombeiros. Até agora, cinco trabalhadores foram atendidos no hospital.

A central estava sendo ampliada desde julho de 2015, com o objetivo de construir dois geradores extras de 1 mil MW cada um. As obras, que deveriam ser concluídas no fim de 2017 ou início de 2018, tinham um orçamento de US$ 1,1 bilhão, segundo dados publicados pelo governo chinês.

Acidentes de trabalho em instalações industriais são comuns na China, onde os padrões de segurança geralmente são ignorados para reduzir custos. Em agosto, a explosão de um oleoduto em uma central de elétrica de carvão na província vizinha de Hubei deixou 21 mortos.

Pouco antes, mais de 130 pessoas foram hospitalizadas depois de um vazamento de produtos químicos em uma fábrica do leste da China. Em abril, a explosão de um depósito de produtos químicos e de combustível em Jiangsu provocou um incêndio que durou 16 horas. / AFP

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaAcidente de TrabalhoDesabamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.