Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
REUTERS/Ronen Zvulun
REUTERS/Ronen Zvulun

Desafiador, Netanyahu promete voltar logo ao poder em Israel

Após perder o cargo de premiê, Bibi diz a apoiadores que os liderará contra esse ‘perigoso governo de esquerda

Redação, O Estado de S.Paulo

13 de junho de 2021 | 20h29

TEL-AVIV - Binyamin Netanyahu perdeu neste domingo, 13, a chefia do governo de Israel, mas se manteve combativo, atacou o “perigoso governo de esquerda” e prometeu voltar ao poder. “Se estamos destinados a ser a oposição, faremos isso de cabeça erguida até podermos derrubá-lo (governo)”, declarou Netanyahu, do conservador partido Likud, em seu último discurso na Knesset, o parlamento israelense.

“Eu lhes digo hoje: não deixem seu ânimo se abater. Eu os liderarei contra este perigoso governo esquerdista. Se Deus quiser, vamos derrubá-lo mais cedo do que as pessoas pensam”, acrescentou em tom desafiador. 

Mas, fora do cargo, o político de 71 anos perde a imunidade e poderá ser julgado pelas acusações de corrupção, fraude e violação de confiança, pelas quais pode ser condenado a até 10 anos de prisão. Ele nega qualquer irregularidade.

Bibi também ficará exposto a uma rejeição dentro do Likud, já que alguns de seus deputados também querem virar a página para a era pós-Netanyahu no partido, segundo a imprensa israelense. Estar na oposição é um território familiar para Bibi - em meados da década de 90, ele tornou a vida muito desconfortável para o então primeiro-ministro israelense, Yitzhak Rabin.

Tanto em Israel quanto no exterior, Netanyahu tem sido uma figura polarizadora. Conhecido pelo apelido Bibi, Netanyahu é amado por seus apoiadores, que o admiram por sua posição agressiva em questões envolvendo o Irã e os palestinos, por uma década sem atentados em Israel e sua importância no cenário internacional. Para os críticos, ele deixa um país mais dividido, menos justo e indiferente à paz com os palestinos. Sua queda foi festejada por uma multidão em Tel-Aviv.

“Toda sua estratégia política teve como base manter viva a raiva das pessoas”, disse Anshel Pfeffer, colunista de Jerusalém e autor da biografia Bibi.

O impacto do governo Netanyahu foi sentido em vários aspectos da política e da sociedade israelense. O conflito palestino ajudou a definir os mandatos dos primeiros-ministros israelenses ao longo de quatro décadas, até que Netanyahu começou sua segunda passagem pelo cargo em 2009. Ele entrou determinado não a resolver a disputa, mas a empurrá-la para o lado.

Desde que Netanyahu voltou ao cargo de primeiro-ministro, o número de judeus que se estabeleceram nos territórios ocupados aumentou 50% e chegou a 450 mil, segundo o Instituto de Democracia de Israel, reduzindo ainda mais a perspectiva de que essas áreas sejam devolvidas aos palestinos em meio à criação de um Estado independente. Bibi também ajudou na integração política dos colonos judeus, que já foram rejeitados por muitos israelenses como radicais. Ele deu as boas-vindas a seus partidos em suas coalizões de governo e os promoveu a posições de influência. Os colonos, por exemplo, agora ocupam duas cadeiras na Suprema Corte israelense.

Ele rivalizou com presidentes democratas americanos e, em seguida, capitalizou com o governo Donald Trump para cimentar ganhos históricos, incluindo a abertura da Embaixada dos EUA em Jerusalém e acordos diplomáticos com Bahrein e Emirados Árabes.

Como premiê e separadamente como ministro das Finanças, buscou políticas que contribuíram para o surgimento de um setor privado mais forte. O setor de tecnologia em expansão em Israel atraiu US $ 10 bilhões em investimentos estrangeiros em 2020 e agora emprega 10% da força de trabalho. Ao mesmo tempo, seu governo provocou uma queda nos investimentos no setor público e cortes nos pagamentos da previdência. A proporção de israelenses que vivem na pobreza aumentou para 21% durante seu mandato. / WP e NYT

Tudo o que sabemos sobre:
Israel [Ásia]Binyamin Netanyahu

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.