AP Photo/Alejandro Cegarra
AP Photo/Alejandro Cegarra

Desafio da oposição venezuelana nas eleições regionais é combater abstenção

Opositores ficaram frustrados após protestos, já que os objetivos não foram alcançados e Nicolás Maduro continua no poder

O Estado de S.Paulo

13 Outubro 2017 | 15h48

CARACAS - A oposição venezuelana enfrenta o desafio de levar seus desmotivados seguidores a votar no domingo nas eleições de governadores, já que uma abstenção elevada permitiria ao governo de Nicolás Maduro minar o favoritismo que as pesquisas lhe atribuem, afirmam analistas.

+ Os três cenários possíveis para as eleições de governadores na Venezuela

Entre 50% e 60% dos venezuelanos estão dispostos a votar nas eleições regionais, segundo o instituto Datanálisis, enquanto a média de participação neste tipo de eleições tem oscilado entre 60% e 70%.

+ Ex-procuradora venezuelana levará à Corte Internacional provas da repressão do governo Maduro

"Agora a intenção é menor porque há frustração na oposição, um racha entre os que querem ir e os que pensam que é um erro pois valida o governo, a Constituinte e o poder eleitoral", disse Luis Vicente León, diretor do Datanálisis.

A coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD), que assegura ainda ser majoritária após vencer as eleições parlamentares de 2015, liderou grandes protestos entre abril e julho para exigir a saída de Maduro e frear a eleição da Assembleia Constituinte, integrada apenas por governistas.

Os objetivos não foram alcançados e a decepção entre os opositores ficou evidente: Maduro continua no poder, as manifestações deixaram mais de 100 mortos e a Constituinte foi instalada apesar das denúncias de irregularidades na eleição.

Félix Seijas, diretor do instituto de pesquisas Delphos, calcula uma participação próxima de 55%, embora defenda que "no contexto atual deveria ser maior porque esta eleição servirá para conhecer o balanço de forças entre o governo e a oposição".

Por sua vez, Jesús Seguías, diretor da Datincorp, acredita que nas regionais votarão mais de 60% dos venezuelanos. "A raiva acumulada e a impotência por não encontrar saídas para a crise faz com que estas eleições sejam vistas como uma oportunidade de enviar uma mensagem de descontentamento.”

A oposição tem multiplicado seus chamados a votar para castigar o governo pela severa crise do país, que está à beira da hiperinflação e sofre com uma grave escassez de alimentos e medicamentos.

Abstenção

A situação governa atualmente 20 dos 23 Estados do país. Os três restantes estão nas mãos da coalizão opositora. Uma pesquisa de opinião do Datanálisis demonstrou que 44,7% dos consultados planejam votar em candidatos da oposição e 21,1% pelos governistas. Com este resultado, estima a empresa Torino Capital - que encomendou o estudo -, a MUD pode ganhar em 18 Estados.

Os especialistas concordam que, apesar da possibilidade de o governo obter desta vez menos governadores, uma baixa participação poderia igualar o resultado. "Uma abstenção alta pode beneficiar o governo em Estados pequenos e a oposição pode diminuir a 11 governadores", informou Seijas. No entanto, Maduro assegura que os governistas poderiam, inclusive, levar os 23 Estados. "Será uma vitória histórica", afirmou no domingo.

León adverte que para a oposição é fundamental superar a abstenção porque "é óbvio que é majoritária". "Em um cenário convencional, com participação elevada e uma eleição transparente e competitiva, deveria ter uma vitória bastante contundente.”

Diante desse panorama, o melhor cenário para o governo, acrescentou ele, será "reduzir o esplendor do voto opositor e para isto usará sua força de mobilização, chantagem eleitoral e controle institucional".

Para Seguías, em uma eleição normal, a oposição ganharia todos ou quase todos os Estados, porque a rejeição ao governo é maciça, de quase 80%. "Agora, o governo estimula a abstenção e abusa de seu poder.”

Luta

Em um cenário assim, por que a Assembleia Constituinte ordenou antecipar estas eleições de dezembro para outubro? "Por sua situação precária, produto da crise econômica e das pressões internacionais, o governo está sendo obrigado a buscar saídas, negociações que lhe permitam continuar", afirmou Seguías.

Analistas consideram, por outro lado, que a oposição faz bem em participar. "Não pode ceder seu direito sem lutar. A participação permitirá mobilizar seus seguidores. Tem de demonstrar que é maioria", destacou León.

Seijas considera que o terreno forte da oposição é justamente o eleitoral e deve aproveitá-lo. "Apesar do desânimo, a oposição não pode ceder espaços de poder", como os governos estaduais.

O diretor da Delphos considera que os opositores ainda devem se cuidar para não enviar um sinal de fragilidade ao mundo. "A comunidade internacional tem a ideia de que o país é opositor e o governo é minoria. É preocupante se esta percepção mudar", acrescentou. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.