Sergey Ponomarev/AP
Sergey Ponomarev/AP

Desarmamento de rebeldes pode levar meses, diz premiê da Líbia

Abdurrahim el-Keib quer oferecer emprego aos revolucionários e acelerar entrega de armas

Associated Press

04 de novembro de 2011 | 10h33

TRÍPOLI - O primeiro-ministro da Líbia, Abdurrahim el-Keib, disse nesta sexta-feira, 4, que o processo de desarmamento dos rebeldes que lutaram contra o regime de Muamar Kadafi deverá durar meses, mas detalhou que nada será feito à força.

 

Veja também:

tabela HOTSITE: Líbia pós-Kadafi

especialESPECIAL: Quatro décadas de ditadura na Líbia

 

A proliferação de armas entre os milícias que se levantaram contra o regime ditatorial de 42 anos do coronel líbio aumentou as preocupações de autoridades internas e estrangeiras sobre a estabilidade do país. As novas lideranças afirmaram que os armamentos só seriam recolhidos com a queda do antigo governo, o que ocorreu em outubro.

 

Mas el-Keib disse à rádio France24 que "levará tempo" para que os rebeldes sejam desarmados e que o governo "não pode forçar as pessoas a tomar decisões rápidas". O premiê afirmou que deseja oferecer alternativas, como empregos, aos rebeldes para acelerar o desarmamento e espera concluí-lo antes do fim da transição de governo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.