Desarmamento do Iraque ainda tem 30 pontos não resolvidos

O chefe dos inspetores de armas da ONU, Hans Blix, deve apresentar na segunda ou terça-feira uma lista com cerca de 30 questões não resolvidas sobre o desarmamento no Iraque, entre as quais encontram-se pontos que alguns países pretendem transformar em ultimato ao país. A lista faz parte do relatório que Blix deverá apresentar ao Conselho de Segurança das Nações Unidas em 28 de fevereiro. Algumas agências internacionais dizem que a pretendida nova resolução dos EUA e da Grã-Bretanha, que deve ser apresentada na segunda-feira, não deve ser votada antes de tal relatório de Blix, num outro sinal de que os planejamentos de guerra consideram um ataque no início de março. As questões são baseadas em documentos das inspeções realizadas por vários anos e que somam cerca de 300 páginas. Uma versão condensada de tais documentos deve ser apresentada a técnicos e autoridades de 16 países que compõem o grupo de conselheiros da Comissão de Verificação, Inspeção e Monitoração das Nações Unidas na segunda-feira ou terça-feira. As informações são das agências internacionais.Destruição de mísseis al-Samoud 2Hans Blix deve enviar carta hoje ou nos próximos dias, pedindo ao governo do Iraque que destrua os mísseis al-Samoud 2 e equipamentos utilizados para produzir motores de mísseis. Segundo o porta-voz do chefe dos inspetores, Ewen Buchanan, Blix enviará a carta ao Iraque nesta sexta-feira. Não está claro se Blix recomendará também a destruição de 380 motores importados, os quais poderiam ser utilizados nos mísseis.A exigência para destruição de tais mísseis criaria um sério dilema para o governo iraquiano, dizem analistas. A destruição deixaria o Iraque sem um valioso sistema de armas para defender-se caso o país seja invadido. Mas se não atender à demanda da ONU, pode ser acusado de não-cooperação.

Agencia Estado,

21 de fevereiro de 2003 | 09h59

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.