West Mercia Police/AFP
West Mercia Police/AFP

Descoberta de tesouro 'viking' leva britânicos para a cadeia 

Eles descobriram moedas 'viking' que valem milhões usando detectores de metal. Mas sua descoberta os levou à prisão

Lateshia Beachum / The Washington Post, O Estado de S.Paulo

26 de novembro de 2019 | 09h00

Aqueles que fazem descobertas nem sempre ficam com o produto achado e negociadores de moedas no Reino Unido aprenderam isso. Quatro homens irão para a prisão por não terem informado o tesouro em moedas viking que encontraram, avaliado em US$ 3 milhões.

Esta descoberta tem importância nacional para o sistema da moeda anglo-saxônica e para uma maior compreensão de uma época crucial da história britânica. Algumas das moedas recuperadas vêm ajudando estudiosos a reescreverem a história, segundo a polícia.

George Powell, de 38 anos, Layton Davies, de 51, Simon Wicks, de 57 anos, e Paul Wells, de 60 anos, foram declarados pelo Tribunal da Coroa de Worcester culpados de roubo e conspiração para ocultar propriedade criminosa. 

Os investigadores foram avisados da descoberta dos três homens pela comunidade de detecção de metal em junho de 2015.

Powell e Davies descobriram as moedas em Herefordshire, um condado agrícola na região oeste da Inglaterra conhecido pela criação de gado de corte e produção de cidra. 

Quando descobriram o tesouro eles não notificaram o fazendeiro proprietário do campo ou as autoridades. Segundo a BBC, os homens contataram antiquários e o National Museum Wales declarando a descoberta de uma única moeda e três peças de joias. Somente 31 das 300 moedas que mantinham com eles foram descobertas, segundo a BBC.

Depois de uma seleção os especialistas descobriram que eles também ocultaram um medalhão feito com uma esfera de cristal de rocha com as bordas em ouro, um anel de ouro, uma pulseira em ouro também e barras de prata e moedas. As moedas são da época dos vikings no Reino Unido, nos séculos 9 e 10.

Segundo as autoridades moedas excepcionais fazem parte do saque e estão pedindo a pessoas especialistas em detecção de metal para contatá-las se virem ou souberem alguma coisa sobre essas moedas.

Um antigo viking pode ter ocultado essas riquezas para protegê-las, afirmou Gareth Williams, curador de moedas medievais e coleções viking no Museu Britânico em uma entrevista para a CNN.

Com base no Treasure Act de 1996, as pessoas que descobrem tesouros devem informar seus achados ao oficial público dentro de 14 dias após a descoberta. Este então consulta as autoridades de museus para determinar o valor da peça. Se os objetos são considerados um tesouro, o secretário de Estado então vai determinar se uma recompensa deve ser paga à pessoa que descobriu ou à proprietária da terra à época da descoberta.

Em 2001 um homem chamado Cliff Bradshaw literalmente encontrou ouro quando fazia uma excursão para detecção de metal numa fazenda num vilarejo em Kent. Ele então descobriu um dos mais antigos tesouros já encontrados na Inglaterra, a Ringlemere Cup. Por esta peça da Idade do Bronze, hoje no Museu Britânico, foi pago mais de US$ 500 mil, valor pago por ela e dividido entre Bradshaw e o proprietário da fazenda.

Em 2014, Derek McLennan, um detector de metal entusiasta, descobriu centenas de peças viking do século 9 e 10 em ouro e prata em terras da Igreja da Escócia cujo valor superou os US$ 2,5 milhões, segundo informou o Sunday Post.

Embora a lei se aplique a toda o Reino Unido, a Escócia permite que os descobridores desses tesouros fiquem com toda a recompensa sem dividir com o dono da propriedade. Deste modo McLennan pretendia ficar com todo o valor recebido, voltando atrás num acordo feito com a Igreja para dividir o dinheiro.

A Igreja impetrou ação contra ele em setembro.

A detecção de metal é um hobby que vem ressurgindo desde que o Museu Britânico revelou um número recorde de tesouros encontrados em 2016, informou o Guardian.

O Reino Unido possui o mais generoso sistema do mundo em termos de recompensas para pessoas que fazem descobertas, disse Wiliiams, curador do Museu Britânico.

O juiz Nicholas Cartwright disse aos quatro homens condenados que eles enganaram a população e que “a ironia deste caso” foi que poderiam ter recebido a metade do valor dos objetos encontrados com eles se tivessem agido conforme a lei, segundo a BBC. “O tesouro pertence à nação”, afirmou o juiz.

Powell cumprirá uma sentença de prisão de 10 anos, Davies ficará preso oito anos e meio e Wicks cinco anos, por não terem declarado o tesouro viking descoberto. Wells vai receber sau sentença no dia 23 de dezembro. A comandante da polícia de Herefordshire, a superintendente Sue Thomas, disse esperar que a condenação dos homens sirva de alerta para a comunidade envolvida com detecção de metal no sentido de informar suas descobertas.

“Espero que isto mostre como levamos a sério este tipo de crime em Herefordshire e que é crime não declarar descobertas de tesouros para as autoridades locais”, afirmou Sue Thomas em um comunicado. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

Tudo o que sabemos sobre:
Reino Unido [Europa]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.