Descoberta moeda de 5 centavos que vale US$ 1 milhão

Um mistério de um milhão de dólares foi resolvido nesta quarta-feira, com especialistas certificando a autenticidade de uma moeda rara de cinco centavos de dólar, dada como desaparecida há décadas: um níquel com a figura da Liberdade, cunhado em 1913. Em 1912, o governo americano mudou a efígie da moeda de cinco centavos, de uma mulher com a tiara da Liberdade para uma figura de búfalo ou de índio. Mas cinco moedas com a imagem da Liberdade, datadas de 1913, foram cunhadas ilegalmente por Samuel K. Brown, funcionário da Casa da Moeda. Essas moedas não entraram em circulação, e durante anos possuí-las foi ilegal. Das cinco, duas encontravam-se em coleções particulares e outras duas, em museus. A quinta estava desaparecida - até terça-feira, quando parentes de George Walton, um numismata falecido, levaram a moeda, que acreditavam ser falsa, a uma convenção da Associação Numismática Americana. A autenticação da moeda foi concluída hoje. Os familiares resolveram comparecer depois de saberem que Paul Montgomery, presidente da casa de leilões e loja numismática Bowers and Merena Galleries, havia oferecido US$ 10.000 pelo privilégio de ser o primeiro a ver a quinta moeda, além de US$ 1 milhão para comprá-la. Os herdeiros de Walton não informaram se pretendem aceitar a oferta de US$ 1 milhão, mas Montgomery disse que faria o cheque de US$ 10.000. Ele foi, realmente, a primeira pessoa de fora da família a ver a moeda. O preço de US$ 1 milhão foi estipulado com base em um leilão de 1996, em que uma moeda semelhante foi vendida por US$ 1,4 milhão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.