Arquivo/AP
Arquivo/AP

Desde o início do ano, EI mantém 350 mil civis cercados na Síria

Grupo jihadista impede a chegada de ajuda humanitária até bairros cercados, que ficam em áreas controladas pelo presidente Assad

O Estado de S. Paulo

05 Março 2015 | 09h40

BEIRUTE - O grupo jihadista Estado Islâmico (EI) mantém cercados desde o começo do ano 350 mil civis em bairros sob controle do regime de Bashar Assad na cidade de Deir al Zur, no nordeste da Síria, informou nesta quinta-feira, 5, o Observatório Sírio de Direitos Humanos.

Os extremistas proibiram nesta quinta a entrada de três caminhões com ajuda humanitária aos distritos de Al Yuret, Al Qusur e outros bairros menores, todos em mãos das autoridades. Como o EI está impedindo a entrada de alimentos e outros tipos de ajuda a essas áreas os preços de produtos básicos, como o pão e o açúcar, dispararam.


Além disso, os remédios estão acabando, principalmente aqueles para o coração e pressão alta, alertou a ONG. O regime sírio evita transportar alimentos de regiões sob seu controle para áreas em poder do EI em Deir al Zur.

Segundo o Observatório, os extremistas estão, além disso, comprando grãos de armazéns situados na entrada norte da cidade para depois vendê-los para compradores iraquianos.

O EI proclamou um califado no final de junho no Iraque e na Síria, onde tomou áreas do norte e do centro de ambos os países. No mês seguinte, assumiu o domínio de quase toda a província de Deir al Zur, na fronteira com o Iraque, exceto de alguns distritos de sua capital homônima e do aeroporto militar. /EFE

Mais conteúdo sobre:
Estado Islâmico Bashar Assad jihadismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.