Desenhos infantis mostram atrocidades em Darfur, diz ONG

Waging Peace envia centenas de trabalhos das crianças para tribunal que vai julgar crimes de guerra no Sudão

BBC Brasil, BBC

08 de agosto de 2007 | 06h04

Centenas de desenhos de crianças em acampamentos no Chade recolhidos pela ONG britânica Waging Peace (Fomentando a Paz, em tradução livre) mostram a realidade de violência em Darfur para crianças refugiadas.  Veja também:Galeria de imagens   O histórico de conflitos no Sudão A organização afirma que encaminhou os desenhos para o Tribunal Penal Internacional da ONU, que vai analisar possíveis atrocidades cometidas em Darfur, no Sudão, e quer que eles sejam considerados evidência de atrocidades. Em junho passado, um pesquisador da Waging Peace entrevistou dezenas de sobreviventes do que qualificou como limpeza étnica em Darfur que estavam no Chade, em campos de refugidos. Para manter as crianças ocupadas enquanto registrava o depoimento de seus pais, a pesquisadora deu folhas de papel e lápis coloridos para os menores que, por conta própria, começaram a desenhar ataques a seus vilarejos por soldados sudaneses e milícias Janjaweed, de acordo com a ONG. As ilustrações mostram homens adultos sendo mortos, mulheres baleadas, espancadas e feitas prisioneiras, bebês sendo atirados em fogueiras e helicópteros do governo do Sudão e aviões bombardeando civis. "Estes desenhos são uma forma de evidência criminal de testemunhas silenciosas", disse a diretora da Waging Peace, Louise Roland-Gosselin. "Eles contrariam diretamente a versão do governo do Sudão nos últimos quatro anos de banho de sangue", afirmou. Segundo Roland-Gosselin, o governo do Sudão negou ter bombardeado vilarejos civis e ter usado tanques para apoiar ataques de milicianos Janjaweed. A Waging Peace recolheu 500 desenhos dos acampamentos. A maioria das crianças tinha de 8 a dez anos de idade na época dos ataques, em 2003 e 2004, e estão vivendo desde então em campos de refugiados. Os desenhos deverão ser exibidos em Londres no dia 8 de setembro para conscientizar as pessoas para a violência no Sudão, e serão levados a escolas britânicas onde crianças serão convidadas a retratar sua vida em desenhos e ver o contraste com a dos menores de Darfur. Pelo menos 200 mil pessoas morreram e mais de 2 milhões foram obrigadas a deixar suas casas desde 2003. Milícias formadas por africanos muçulmanos de origem árabe, denominadas Janjaweed, são acusadas de crimes de guerra, assassinatos, estupros e roubos contra a população negra africana da região. O governo do Sudão é acusado de apoiar essas milícias.  BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.