Matteo Bazzi/EFE/EPA
Matteo Bazzi/EFE/EPA

Desigualdades no acesso às vacinas são 'mais grotescas' a cada dia, diz OMS

Organização critica nações que imunizam jovens e pessoas fora do grupo de risco 'à custa de outros países'

Redação, O Estado de S.Paulo

22 de março de 2021 | 21h01

GENEBRA - A cada dia que passa ficam "mais grotescas" as desigualdades no acesso dos países às vacinas contra a covid-19, afirmou nesta segunda-feira, 22, o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom.

Ao avaliar a situação da pandemia e a distribuição de vacinas no mercado, Adhanom acrescentou que é "chocante" que os países com mais recursos estejam fazendo "tão pouco" para reverter a situação.

Sem citar países, o dirigente criticou aqueles que "preferem vacinar os jovens que não estão em nenhuma categoria de risco à custa de outros países poderem vacinar seus trabalhadores da saúde e pessoas mais velhas".

Israel foi o país que mais vacinou, com praticamente toda a população elegível a receber a primeira dose da vacina e mais de metade a receber ambas. A lista de países que imunizaram a maior parte das populações segue com Emirados Árabes, Reino Unido, Chile e Estados Unidos.

"Alguns países estão na corrida para vacinar toda a população, enquanto outros países não têm nada. Isso pode comprar a eles uma segurança no curto prazo, mas é uma falsa impressão de segurança", avisou.

Adhanom lembrou que enquanto a transmissão do coronavírus continuar em diferentes partes do mundo, surgirão mais variantes que podem, potencialmente, driblar as vacinas.

No entanto, nem todos os países que podiam seguiram o caminho da acumular vacinas. A Coreia do Sul, um país com recursos econômicos suficientes para ter negociado contratos diretos com empresas farmacêuticas, optou por aderir à plataforma COVAX, criada pela OMS em colaboração com outras organizações, para uma distribuição equitativa de vacinas e aguardar a sua vez.

Das 450 milhões de vacinas administradas até hoje, a COVAX apenas distribuiu 30 milhões porque não recebeu fornecimentos suficientes. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.