EFE/ Francis R. Malasig
EFE/ Francis R. Malasig

Deslizamento de terra após tufão deixa 30 pessoas presas em prédio nas Filipinas

Autoridades locais também confirmaram a morte de outras quatro pessoas

O Estado de S.Paulo

31 de outubro de 2018 | 03h40

Manila, Filipinas - Cerca de 30 pessoas estão presas nesta quarta-feira, 31, em um edifício oficial, engolido por um deslizamento de terra na província de Montanha, na ilha de Luzon, nas Filipinas, por onde passou o tufão Yutu na última terça-feira, 30.

O prefeito de Natonin, onde acontece este incidente, confirmou aos veículos de imprensa locais a morte de quatro pessoas, enquanto as equipes de resgate trabalham desde terça-feira à noite para encontrar sobreviventes entre a lama e os destroços.

O edifício soterrado na lama era a sede de Departamento de Obras Públicas da província, onde dezenas de desabrigados se refugiavam das intensas chuvas e fortes ventos do tufão, apesar de não ser qualificado como um centro de evacuação.

Por outro lado, em Banaue, onde ficam os famosos terraços de arroz na província de Ifugao, outro deslizamento de terra causou a morte de Baltazar Pinnay, de 48 anos, e três dos seus filhos entre 8 e 12 anos, informou o Centro Provincial de Redução de Desastres. A mãe e outros quatro irmãos saíram ilesos, pois estavam do outro lado da casa, que ficou soterrada na lama.

Mais de 10 mil pessoas deixaram suas casas em diferentes províncias da ilha de Luzon, norte do país, por onde o tufão Yutu, batizado localmente como Rosita, cruzou com ventos sustentados de 140 km/h e sequências que alcançaram os 230 km/h.

Yutu tocou o solo nas Filipinas na madrugada de terça-feira, na cidade de Dinapigue, província de Isabela, e se deslocou para o oeste até sair de território filipino durante a noite, embora se manterá na sua área de responsabilidade até esta quarta-feira à tarde. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.