AP Photo/Elias Meseret
AP Photo/Elias Meseret

Deslizamento de terra em depósito de lixo na Etiópia deixa mais de 40 mortos

Testemunhas disseram que havia pelo menos 100 pessoas no local no momento do acidente; aterro já havia registrado deslizamentos nos últimos anos

O Estado de S.Paulo

12 de março de 2017 | 12h57

ADIS-ABEBA, ETIÓPIA - Pelo menos 46 pessoas morreram, entre elas 32 mulheres, e várias outras ficaram feridas após um deslizamento de terra em um grande aterro sanitário nos arredores da capital da Etiópia, Adis-Abeba.

O número de vítimas aumenta à medida que as autoridades conseguem recuperar os corpos de muitos indivíduos que ainda estão soterrados. Alguns sobreviventes foram levados ao hospital.

Ainda não foi esclarecido o motivo do deslizamento, ocorrido no sábado à noite (horário local) no aterro de lixo Koshe, que soterrou várias casas improvisadas e construções de concreto.

As equipes de emergência mantêm a operação de resgate e tentam retirar o lixo do aterro, afirmou o porta-voz do governo de Adis-Abeba, Dagmawit Moges.

Testemunhas disseram à rádio local Sheger FM que pelo menos 100 pessoas estavam no local no momento do acidente.

Centenas de indivíduos recolhem lixo no aterro diariamente e alguns, inclusive, moram no local em barracos improvisados.

O local tem sido um depósito para o lixo da capital há mais de 50 anos. Moradores acreditam que a retomada da colocação de lixo no local nos últimos meses tenha causado o deslizamento de terra. O depósito havia sido interrompido nos últimos anos, mas foi retomado depois que fazendeiros em uma região próxima de onde um novo complexo de aterro estava sendo construído obstruíram a colocação de lixo na área.

Pequenos deslizamentos de terra ocorreram no aterro Koshe nos últimos dois anos. "A longo prazo, vamos conduzir um programa de reassentamento para realocar pessoas que vivem dentro e em volta do aterro", disse o prefeito de Adis-Abeba. / EFE, AFP e ASSOCIATED PRESS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.