Ivan Antonio Jurado/Pulo Social/via REUTERS
Ivan Antonio Jurado/Pulo Social/via REUTERS

Deslizamento de terra mata ao menos 13 pessoas na Colômbia

Trabalhos de busca e resgates serão retomados nesta segunda-feira; 10 corpos já foram recuperados, incluindo de dois menores de idade e duas mulheres

O Estado de S.Paulo

22 Janeiro 2018 | 00h36
Atualizado 22 Janeiro 2018 | 08h05

BOGOTÁ - Ao menos 13 pessoas morreram no domingo 21 após um deslizamento de terra que arrastou um micro-ônibus para um despenhadeiro, na estrada entre Tumaco e Pasto, no departamento de Nariño, na Colômbia, informaram fontes oficiais.

+ Deslizamento de terra mata 254 pessoas e fere mais de 400 na Colômbia

"Lamento profundamente a morte de pelo menos 13 pessoas que transitavam em um veículo de serviço público na via Tumaco-Pasto, as quais foram surpreendidas por um deslizamento de terra", escreveu no Twitter o diretor da Agência Nacional de Segurança Viária, Alejandro Maya.

+ Barco naufraga com turistas na Colômbia e deixa seis mortos

O deslizamento de terra aconteceu no local conhecido como La Nariz del Diablo, na altura do quilômetro 66 da estrada que vai de Pasto, a capital departamental, a Tumaco.

Os serviços de emergência, segundo a emissora Noticias RCN Televisión, já recuperaram 10 corpos, entre eles os de dois menores de idade e duas mulheres.

O governador do departamento de Nariño, Camilo Romero, disse que funcionários do escritório de gestão de risco já foram para o local, onde máquinas trabalham para liberar a estrada.

Relembre: Bebê de 11 meses sobrevive a deslizamento de terra na Colômbia

O veículo, filiado à empresa Supertáxis, saiu de manhã de Túquerres com um passageiro, mas no trajeto recolheu outros viajantes, motivo pelo qual não se pode estabelecer com exatidão o número de pessoas que viajavam nele.

Os trabalhos de busca e resgate foram suspensos em razão das dificuldades no terreno e serão retomados nesta segunda-feira, 22. A região recebeu chuvas torrenciais que tornam frequentes os deslizamentos nesta parte do país. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.