Eranga Jayawardena/AP Photo
Eranga Jayawardena/AP Photo

Ao menos 20 pessoas morrem após deslizamento de montanha de lixo no Sri Lanka

Entre as vítimas, havia quatro crianças entre 11 e 15 anos

O Estado de S.Paulo

15 Abril 2017 | 03h54

COLOMBO - Pelo menos 20 pessoas, entre elas quatro crianças, morreram após uma montanha de lixo encobrir cerca de 40 casas de um bairro de Colombo, capital do Sri Lanka, na sexta-feira, 14. O balanço anterior era de 16 mortos.

O porta-voz militar, Roshan Seneviratne, disse que não sabia que alguém ainda estava desaparecido depois da tragédia. Os militares ainda estavam fazendo buscas pela região e conversando com sobreviventes para determinar quantos estavam desaparecidos. Um morador local, que se identificou apenas como Sanjaya, disse que ele e outras pessoas estavam procurando por três vizinhos - um idoso, a filha e a neta dele - que foram enterrados após o deslizamento.

Segundo o porta-voz do hospital nacional de Colombro, Pushpa Soysa, dois meninos e duas meninas entre 11 e 15 anos estão entre as vítimas. No total, 21 pessoas foram transferidas. Entre as primeiras vítimas, havia uma criança de 12 anos e dois adolescentes. Outras três pessoas foram retiradas dos escombros, mas morreram antes de chegar ao hospital. Doze pessoas que ficaram feridas permanecem sob cuidados.

Centenas de soldados foram mobilizados para a região depois que o presidente Maithripala Sirisena ordenou ao exército e à polícia ajudar os bombeiros. “Há um operação  de busca em curso”, disse a polícia em comunicado. “Acreditamos que umas 40 casas foram destruídas”, disse um dos responsáveis pelo serviço de gestão de catástrofes.

O acidente ocorreu em Kolonnawa, a nordeste de Colombo, quando uma montanha de 91 metros de altura, desestabilizada pelas fortes chuvas, pegou fogo e caiu sobre as casas. Os habitantes da região já tinha alertado várias vezes sobre os problemas provocados por esse lixão a céu aberto onde há 23 milhões de toneladas de lixo e que, a cada dia, recebe mais 800 toneladas, além de trazer riscos à saúde.

O primeiro-ministro Ranil Wickremesinghe disse neste sábado, 15, que o governo vai remover o depósito de lixo da área em breve. Ele informou que as 625 pessoas cujas casas foram destruídas estavam sendo instaladas em escolas próximas. As causas do deslizamento ainda não foram esclarecidas, segundo o serviço de Emergências de Sri Lanka. /AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.