Deslizamento mata 6 e isola 1,5 mil turistas em Machu Picchu

Pelo menos seis pessoas morreram neste sábado na localidade peruana de Águas Calientes, a dois quilômetros do sítio arqueológico de Machu Picchu, em decorrência de desmoronamentos que cortaram os acessos por trilhas e por ferrovia às ruínas incas - um dos destinos turísticos mais procurados do mundo. Segundo autoridades peruanas, 15 casas foram derrubadas e cerca de 100 pessoas ficaram desabrigadas. Pelo menos seis pessoas ficaram feridas. A localidade abriga uma albergue para turistas estrangeiros e tem entre as atrações várias piscinas naturais de águas vulcânicas.O funcionário de Machu Picchu, Héctor Olivera, informou que pode haver mais mortos e que entre os desaparecidos não há turista. Cerca de 1.500 visitantes estão isolados em áreas próximas, na chamada "trilha inca", usada por mochileiros que fazem a pé o trajeto de Cuzco até as ruínas.O presidente Alejandro Toledo estava casualmente em Machu Picchu e assumiu em princípio o comando dos trabalhos da defesa civil para recuperar a estrada de ferro. Toledo e a mulher, Eliane Karpp, aproveitavam os feriados da Semana Santa para gravar em Machu Picchu um programa especial de turismo para o canal de TV britânico Travel Channel. Os três helicópteros que transportavam a comitiva presidencial e a equipe de TV foram postos à disposição das equipes para o socorro aos feridos e a remoção dos turistas isolados. Porém, o mau tempo dificultava a decolagem. O governador de Cuzco, Carlos Cuaresma, informou a uma rádio local que os deslizamentos ocorreram por causa das fortes chuvas na nascente do rio Alcamayo, que transbordou.Há três anos, geólogos da Universidade de Kioto, no Japão, alertaram para o risco de os freqüentes deslizamentos de terra e o grande fluxo de turistas causarem o desmoronamento das ruínas de Machu Picchu, declaradas patrimônio da humanidade pela Unesco em 1983. Cerca de 2.000 pessoas visitam Machu Picchu todos os dias e os programas de incentivo ao turismo do governo peruano vêm fazendo esse número crescer a cada ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.