Deslizamentos de terra matam 17 em cidades chinesas

Deslizamentos de terra atingiram três aldeias nas montanhas no oeste da China na manhã de hoje, matando 17 pessoas e deixando 44 desaparecidas. Em outra parte do país, uma equipe conseguiu conter as águas de um reservatório que estava enchendo rapidamente após fortes chuvas.

AE-AP, Agência Estado

13 de julho de 2010 | 14h00

Na cidade mais atingida, Xiaohe, na província de Yunnan, quatro pessoas morreram e as equipes procuram outras 42, diz o site do jornal provincial oficial Yunnan Daily. Trinta e oito pessoas ficaram feridas no local. Na província vizinha de Sichuan, sete pessoas morreram e uma estava desaparecida na vila de Yandai. Equipes de resgate recuperaram seis corpos e procuravam uma pessoa na vila de Sima, informou a agência de notícias Xinhua.

As águas de um reservatório perto da cidade ocidental de Golmud começaram a baixar hoje depois que centenas de trabalhadores e soldados concluíram a escavação de um canal de desvio, disse um funcionário do setor de abastecimento de água da província de Qinghai.

Qinghai, que costuma sofrer com as secas, tem registrado chuvas cada vez mais fortes nos últimos anos. Neste ano, as chuvas caíram enquanto a neve derretia nas montanhas próximas. Dezenas de reservatórios atingiram limite acima dos níveis de alerta, informou um funcionário do setor de abastecimento de água.

Mais chuvas

Fortes chuvas são esperadas para amanhã na bacia do rio Yangtze, que abrange as províncias de Zhejiang, Jiangsu e Sichuan, segundo a Administração Meteorológica da China. Nos primeiros 13 dias de julho, temporais causaram a morte de 107 pessoas e prejuízos de 19,8 bilhões de yuans (US$ 2,9 bilhões) na China, segundo o Ministério de Assuntos Civis.

Tudo o que sabemos sobre:
deslizamentosChinamorteschuvas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.