Desqualificação de liberais abre crise política no Irã

A disputa em torno da desqualificação eleitoral de candidatos tidos como liberais e reformistas aprofundou-se nesta segunda-feira no Irã, com reformistas ameaçando boicotar as eleições de fevereiro e o líder supremo do país ameaçando intervir na situação.Pelo segundo dia consecutivo, parlamentares que tiveram suas candidaturas desqualificadas fizeram uma manifestação no prédio do Parlamento. Um organismo governamental conservador, o Conselho Guardião, impediu que mais de 80 parlamentares se candidatassem nas próximas eleições.?Continuaremos com a manifestação até que as desqualificações por motivos políticos sejam revertidas?, disse a parlamentar Elaheh Koolaee. Ela ameaçou com um boicote às eleições. ?Se não houver reversão, não haverá eleições. Não faz sentido participar de uma suposta eleição se pensadores de linha-dura disputam sem adversários?, queixou-se.O Conselho Guardião, composto por 12 membros indicados pelo líder supremo do país, aiatolá Ali Khamenei, desqualificou mais de 3.000 das 8.200 pessoas que se apresentaram para concorrer às 290 vagas do Parlamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.