Norberto Duarte/AFP
Norberto Duarte/AFP

Destituição de Lugo repercute em redes sociais

Assunto ocupou os trend topics mundiais do twitter nesta sexta-feira

estadão.com.br,

22 de junho de 2012 | 21h08

A destituição de Fernando Lugo da presidência do Paraguai, após o julgamento político no Senado, esteve entre os tópicos mundiais mais citados do twitter nesta sexta-feira, 22. Os termos Lugo, Paraguay, Federico Franco foram os mais twittados.

Veja também:

link Senado do Paraguai destitui Lugo com 39 votos

link Federico Franco assume a presidência do Paraguai

link Manifestantes e polícia entram em confronto após destituição de Lugo

Minutos após o impeachment, a página de pesquisa Wikipedia já apontava Federico Franco como o novo presidente do país. Além disso, a imprensa internacional também repercutiu a transição presidencial do Paraguai. O jornal espanhol El País, por exemplo, noticiou que o Senado destituiu o presidente Lugo, enquanto o argentino La Nación destacou que a Argentina não irá "validar o golpe" e que o Brasil sugeriu que o Paraguai deixe o Mercosul.

Impeachment

O Senado paraguaio cassou nesta sexta-feira, 22, o mandato do presidente Fernando Lugo, após negar um pedido do mandatário, que solicitou 18 dias para a preparação dos argumentos de defesa do julgamento político iniciado na manhã de hoje, por suposto mau desempenho de suas funções. Cerca de cinco mil manifestantes protestavam em frente ao Congresso do Paraguai contra a votação do impeachment de Lugo. O Senado aprovou a validade das cinco acusações contra Lugo, com 39 votos a favor e apenas quatro contra.

Lugo foi o quarto presidente paraguaio a enfrentar um processo de impeachment. Os outros três foram: José P. Guggiari, em 1928, Raul Cubas, 1999 e Luiz Gonzalez Macchi, em 2003.

Federico Franco

O novo presidente, Federico Franco, assumiu hoje mesmo e, durante seu discurso, afirmou que vai respeitar as instituições democráticas do país. "Essa transição se realiza em absoluto respeito às leis e aos tratados internacionais e não fere os princípios democráticos universais (...)Vamos respeitar o Estado Social de Direito, as instituições democráticas e o Direito Romano."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.