Detectada radiação fora da zona de exclusão de Fukushima

Moradores que viviam fora da zona de exclusão de Fukushima provavelmente foram expostos a radiação durante os quatro meses após a destruição da usina nuclear pelo terremoto e tsunami de 11 de março no Japão, disse nesta terça-feira o governo local.

REUTERS

13 de dezembro de 2011 | 14h31

A exposição dos moradores a 19 milisieverts está pouco abaixo do limite anual estabelecido pela agência internacional de segurança nuclear, afirmaram as autoridades.

A maior exposição ocorreu na cidade de Iitate, onde as autoridades deram mais tempo aos moradores para deixar a região, localizada 40 quilômetros a noroeste da usina e fora da zona de retirada de 20 quilômetros imposta pelo governo.

O desastre de março desativou os sistemas de resfriamento dos reatores na usina de Fukushima Daiichi, da operadora Tokyo Electric Power Co, localizada 240 quilômetros a nordeste da capital, provocando vazamento de radiação que se espalhou para grande parte do norte e leste do Japão e contaminou vegetais, chá, leite, frutos do mar e água nessas regiões.

Autoridades japonesas enfrentaram duras críticas pela demora em retirar os moradores de perto da usina.

A maioria dos moradores deixou a área de exclusão alguns dias após o desastre.

A Comissão Internacional para a Proteção Radiológica recomenda que a exposição seja mantida abaixo de 20 milisieverts por ano após a fase emergencial de um incidente.

(Reportagem de Kiyoshi Takenaka)

Tudo o que sabemos sobre:
JAPAOFUKUSHIMARADIACAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.